EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Não há muito o que se comemorar no Dia da Internet quando o assunto é a velocidade da conexão brasileira. Em relatório produzido pela consultoria norte-americana Akamai, o Brasil ocupa somente a 88ª colocação no ranking global de velocidade da internet banda larga com conexão média em 4,1 Mbps. Na liderança está a Coreia do Sul, país que tem velocidade média de conexão de 26,7 Mbps.

Para efeito de comparação, a média global está fixada em 5,1 Mbps, valor também acima do índice brasileiro. Já os Estados Unidos tem média de 14,2 Mbps, a França tem velocidade de conexão avaliada em 8,9 Mbps, Portugal tem 12,1 Mbps de média e Austrália registra conexão média de 8,1 Mbps.

publicidade

Mas se a comparação com o país asiático e com outras nações de primeiro mundo pode parecer injusta, já que esses países recebem grandes investimentos para fortalecer o avanço tecnológico, é possível comparar o índice nacional com o de vizinhos sul-americanos. O resultado novamente não é nada positivo para o Brasil.

Para se ter noção da gravidade do problema, o Brasil fica atrás até de nações como Sri Lanka e Malásia, que têm médias de velocidade de internet em 4,8 e 5,2 Mbps.

Reprodução

O país é apenas o sétimo colocado na lista que avalia a velocidade média de internet na América do Sul. O líder Uruguai é quem tem a melhor conexão da região (6,2 Mbps). Os outros países na frente do Brasil são: Chile (6,1 Mbps), Argentina (4,7 Mbps), Peru (4,5 Mbps), Colômbia (4,5 Mbps) e Equador (4,4 Mbps). Estamos à frente apenas da Bolívia, que apresenta velocidade de 2 Mbps e da Venezuela e do Paraguai que têm média de apenas 1,6 Mbps.

publicidade

Por que é tão lenta?

O Olhar Digital entrou em contato com especialistas no assunto ainda em 2015 e descobriu que a grande vilã é a infraestrutura precária do Brasil. Segundo o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, a maioria das capitais ainda está sendo cabeada por fibra óptica, processo que é lento e custa caro.

A reportagem abaixo, exibida no ano passado e que conta com dados da Akamai de estudos anteriores ao exibido no início deste texto, mostra algumas razões que fazem a internet brasileira estar muito atrás das líderes mundiais.