De acordo com o site TurkeyBlocks, que monitora restrições à internet feitas por parte do governo autoritário da Turquia, o país bloqueou hoje totalmente o acesso de seus cidadãos ao Facebook, WhatsApp, Youtube e Twitter. Outros sites, como Instagram e Skype, também foram afetados.

O TurkeyBlocks informa que a restrição aos sites está sendo feita pelos provedores de serviços de internet. A primeira operadora a restringir o acesso a essas redes foi a TTNet, associada ao governo; em seguida, outras operadoras turcas de grande porte, como a Turkcell, adotaram a mesma medida. Usuários de operadoras menores, como a UyduNet, não foram afetados pela medida.

publicidade

Tendo sido iniciada na operadora ligada ao governo, é provável que a medida de restrição das redes seja uma atitude do governo autoritário de Tayyip Erdogan. Recentemente, Erdogan bloqueou o acesso dos cidadãos turcos a sites de armazenamento na nuvem depois do vazamento de e-mails que revelavam seu esquema de controle da mídia.

Foi golpe

Segundo o site de monitoramento das redes turcas, esse bloqueio pode estar ligado à detenção de diversos líderes do partido de oposição a Erdogan, o HDP. Ontem de noite, a polícia turca invadiu a cede do HDP e deteve quinze parlamentares democraticamente eleitos do partido. O jornalista Mutlu Civiroglu esteve presente durante a invasão e gravou-a; o vídeo pode ser visto abaixo:

De acordo com o site de notícias Salon, o HDP, além de fazer oposição ao governo de Erdogan, também representava os curdos, um grupo étnico tradicionalmente excluído de espaços de poder na Turquia. O bloqueio das redes sociais teria sido uma medida do governo autoritário para diminuir o impacto das suas atitudes antidemocráticas.

Ainda segundo o site, desde uma tentativa de tirar Erdogan do poder em julho, o governo autoritário já prendeu quase 40 mil cidadãos no país. Pelo menos, de acordo com o Twitter de Civiroglu, essas medidas autoritárias não passaram batido: manifestações de turcos contra o autoritarismo de Erdogan devem acontecer hoje em Nova York, Boston e Washington DC; ontem mesmo, turcos se manifestaram diante da sede da BBC, no Reino Unido, e em Berlin. O parlamentar irlandês Séan Crowe, ministro de assuntos estrangeiros, também já se manifestou contra a atitude de Erdogan.

Risco internacional

Vale lembrar que o Brasil não está totalmente a salvo de atitudes desse tipo. Medidas judiciais anteriores já ordenaram o bloqueio do WhatsApp em todo o território nacional, e um juiz já chegou até mesmo a mandar bloquear o Facebook no país.

Vale lembrar também que tramitam nas instâncias legislativas do Brasil alguns projetos de lei que têm como objetivo controlar o acesso dos cidadãos à internet. Um deles propõe a criação de um “cadastro nacional de acesso à internet” ao qual cada cidadão teria que se registrar cada vez que fosse utilizar a rede.