EnglishPortugueseSpanish
Desde que Steve Jobs apresentou o iPhone ao mundo, em janeiro de 2007, muita coisa mudou no smartphone da Apple. O primeiro modelo não era compatível com redes 3G e sequer tinha capacidade de gravar vídeos, enquanto o atual não só usa redes 4G como também possuí estabilização ótica de imagem para vídeos.
 
Vamos relembrar o longo caminho percorrido desde que o primeiro iPhone chegou às lojas no dia 29 de junho de 2007 até hoje, no aniversário de 10 anos do seu lançamento.
 
iPhone (2007)

Reprodução
 
Hoje ele pode não impressionar, mas há dez anos não havia nada parecido com o iPhone da Apple. Em vez de botões, ele tinha uma grande tela com multitouch, o que se tornou padrão entre smartphones nos dez anos seguintes ao seu lançamento.
 
O primeiro iPhone tinha opções de 4 GB, 8 GB ou 16 GB de armazenamento. A câmera, que não gravava vídeos, tirava fotografias em 2 megapixels, e ele tinha 128 MB de RAM. Ele já era voltado para internet móvel, mas não era compatível com redes 3G, apenas 2G e Wi-Fi.
 
Apesar de ser considerado caro para os padrões da época – ele custava a partir de US$ 499 no modelo de 4 GB -, o iPhone se mostrou um sucesso, vendendo mais de 300.000 unidades no primeiro final de semana, pavimentando a estrada para a revolução dos smartphones nos anos seguintes.
 
iPhone 3G (2008)

Reprodução
 
No dia 11 de julho de 2008 o segundo modelo do iPhone foi lançado. O nome entrega a principal novidade: agora ele era compatível com redes 3G. Pouco mudou além disso: o design foi levemente modificado e em vez de apenas uma versão prateada e preta ele passou a ser vendido tanto na cor preta quanto na cor branca. Além disso, a Apple parou de vender o modelo com apenas 4 GB de armazenamento interno, e o iPhone 3G de entrada tinha 8 GB para arquivos.
 
Além de compatibilidade com internet móvel mais rápida, o iPhone 3G também foi o primeiro a incluir a App Store, outro ponto fundamental na revolução dos smartphones: agora era possível baixar novos apps e aumentar as funcionalidades do smartphone.
 
iPhone 3GS (2009)

Reprodução
 
O sucesso da App Store do iPhone 3G criou uma nova demanda por espaço nos smartphones, e 16 GB já era pouco, dependendo de quantos apps, fotos e músicas estavam guardados no aparelho. Por isso, o iPhone 3GS introduziu uma versão com 32 GB de armazenamento interno.
 
E não só isso. O 3GS iniciou a tradicional evolução em duas etapas do iPhone: primeiro um novo design era apresentado, para no ano seguinte o hardware ser atualizado. O iPhone 3GS era pouco diferente do 3G por fora e suas novidades estavam por dentro. Era o iPhone “mais rápido até então”, como disse a Apple na época, com 256 MB de RAM
 
Entre outras novidades estavam o controle por voz, que veio a ser ampliado com a introdução da Siri anos mais tarde, e um sensor de 3 megapixels para a câmera, que também ganhou poderes para gravar vídeos.
 
iPhone 4 (2010)

Reprodução
 
A primeira grande mudança de design veio em 2010, com o iPhone 4. Ele ganhou o formato retangular com bordas arredondadas que foi característico do aparelho nos anos seguintes, e ficou mais fino, com apenas 9,3 mm de espessura (o iPhone 3GS tinha 12,3 mm).
 
Outros recursos que fizeram do iPhone 4 um smartphone bastante diferente do antecessor foram a tela Retina, com resolução maior do que a até então encontrada nos aparelhos da Apple, e a câmera frontal que deu o pontapé inicial na era das selfies, embora na época sua principal função era nas conversas via FaceTime.
 
Por dentro ele também ficou mais potente: agora tinha 512 MB de RAM. A câmera traseira era de 5 megapixels, e o iPhone 4 também foi o primeiro a contar com um giroscópio.
 
iPhone 4S (2011)

Reprodução
 
O iPhone 4S foi anunciado dias depois da morte de Steve Jobs e, como foi o 3GS em relação ao 3G, foi mais uma versão turbinada do iPhone 4 do que uma grande mudança em relação ao seu antecessor.
 
Ele ganhou mais espaço com a versão de 64 GB, e a câmera também foi melhorada, agora com um sensor de 8 megapixels. Os vídeos passaram a ser gravados em resolução Full HD. O processador usado foi um dual-core igual ao encontrado nos iPads da época, garantindo mais potência ao smartphone mesmo sem aumento de memória.
 
A grande novidade foi a Siri, a assistente digital do iPhone que acompanha todos os modelos do aparelho lançados desde então. Ele foi um sucesso imenso, vendendo 4 milhões de unidades no primeiro final de semana.
 
iPhone 5 (2012)

Reprodução
 
Em 2012 o iPhone cresceu: a tela, que até então tinha 3,5 polegadas, passou a ser de 4 polegadas, o que resultou em um novo design para o smartphone, ainda que bastante parecido com o anterior.
 
O iPhone 5 também ganhou conectividade 4G LTE e passou a contar com 1 GB de RAM. Uma novidade controversa foi a substituição do cabo de 30 pinos pela conexão Lightning, que garantia mais velocidade na transferência de arquivos, mas sacrificava todos os acessórios produzidos para os iPhones até então.
 
iPhone 5S e iPhone 5C (2013)

Reprodução
 
A partir de 2013 a Apple passou a lançar dois modelos de iPhone de uma vez. Os primeiros foram o iPhone 5S e o iPhone 5C.
 
O 5S era a evolução do 5: novo processador, novidades na câmera (como o dual flash e vídeos em slow motion) e um coprocessador de movimentos M7. Foi o primeiro smartphone da Apple a incluir o sensor biométrico Touch ID.
 
Já o 5C era, basicamente, um 5 com nova embalagem: uma traseira plástica vendida em quatro cores diferentes. Sem os novos recursos do 5S, ele era um pouco mais barato.
 
iPhone 6 e 6 Plus (2014)
 
Reprodução
 
Seguindo a tendência do ano anterior de apresentar dois iPhones de uma vez, a Apple lançou em 2014 o iPhone 6 e o iPhone 6 Plus. Os dois eram maiores do que seus antecessores, como uma reação ao mercado que exigia displays muito maiores do que as 4 polegadas do iPhone 5s, e também apresentaram um novo design para o dispositivo, mais arredondado do que antes.
 
O iPhone 6 tinha tela de 4,7 polegadas com resolução Retina HD, e contava com um novo processador A8. Outra novidade foi a inclusão de um chip NFC usado para o Apple Pay, sistema de pagamentos móvel da Apple.
 
O iPhone 6 Plus era ainda maior, com tela de 5,5 polegadas. A câmera dele também era superior à do 6 e contava com estabilização ótica de imagem, para diminuir a tremedeira em vídeos. A Apple vendeu mais de 10 milhões desses iPhones só no primeiro final de semana.
 
iPhone 6s e iPhone 6s Plus (2015)

Reprodução
 
Mais uma grande atualização interna no iPhone: ele finalmente ganhou mais RAM (2 GB), um novo processador A9 e melhorias na câmera: a traseira passou a contar com um sensor de 12 megapixels e a frontal com 5 megapixels para selfies. A inclusão da tecnologia 3D Touch mudou um pouco a forma de navegar pelo dispositivo, com reconhecimento da pressão do toque.
 
Por fora ele era parecido, mas não idêntico: depois do iPhone 6 entortar no bolso dos consumidores, a Apple melhorou o acabamento de alumínio com uma versão mais resistente.
 
iPhone SE (2016)

Reprodução
 
Cerca de 6 meses depois do lançamento do iPhone 6s e do 6s Plus, um novo dispositivo chegou ao mercado: o iPhone SE tinha o hardware bastante parecido com a linha 6s, mas o corpo dele era o do 5s. Isso significa que, pela primeira vez, o iPhone “diminuiu”: em vez de 4,7 polegadas, ele tinha tela de 4 polegadas, para quem achava que as telas estavam grandes demais nos outros modelos.
 
iPhone 7 e iPhone 7 Plus (2016)
Reprodução
 
A mudança de design dessa vez não foi muito grande. Pela primeira vez, a Apple mantém a mesma identidade visual por três anos consecutivos. Talvez a diferença mais perceptível – e lamentada – foi a remoção da entrada de fone de ouvido convencional do iPhone. Além disso, o botão Home passou a ser virtual e a câmera traseira virou dupla, com um recurso de zoom consideravelmente superior ao encontrado em modelos antigos.
 
Além disso, pouco mudou no iPhone 7 e no 7 Plus: eles são mais potentes, como de costume, e o modelo de 16 GB enfim foi abandonado, com o de 32 GB sendo a versão de entrada para o mundo do iPhone a partir de agora.

publicidade