Um estudo preliminar conduzido pela Nasa revelou que as pessoas acham o som emitido pelos drones mais irritante do que aquele que sai dos carros. O que pode ser problema para empresas de varejo e entregas, que pretendem usar o recurso comercialmente no futuro.

Coautor do estudo, Andrew Christian, que atua no Centro de Pesquisas Langley, disse à New Scientist que a descoberta foi uma surpresa quase desagradável, já que esse nem era o propósito do trabalho.

publicidade

Eles só queriam comprovar que o ambiente acústico de Langley poderia contribuir para as pesquisas da Nasa sobre drones. Tanto que só estudaram 38 pessoas. A baixa amostragem, entretanto, não causa desconfiança nos resultados, uma vez que os participantes não sabiam que estavam ouvindo o barulho de um drone e nem qual era o motivo do experimento.

O desconforto deles em relação aos dispositivos foi tamanho que o som era comparável ao de um carro que de repente ficou duas vezes mais próximo do que estivera. E a irritação supera a do barulho de veículos tradicionais mesmo quando ambos estão no mesmo volume.

Uma das explicações imaginadas por Christian e sua equipe está na vagareza dos drones. Como demoram mais que os carros para se locomover, eles permanecem por um tempo maior emitindo som no mesmo ambiente.

Os drones usados para o estudo são mais lerdos que os em desenvolvimento pela Amazon, que planeja criar máquinas capazes de alcançar 95 km/h. Em contato com a New Scientist, um porta-voz da companhia ressaltou que seus drones devem voar em altas altitudes (“bem acima das pessoas e estruturas”) e de forma mais silenciosa.