EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Nokia está realizando uma parceria com a Microsoft, a operadora de telefonia sueca Tele2 e com a instituição de caridade Reach For Change para oferecer um novo serviço de telefonia voltado para refugiados. De acordo com o anúncio das empresas, o serviço oferecerá tradução simultânea em tempo real do dialeto sírio do árabe para inglês, para facilitar a comunicação de refugiados. 

O objetivo da parceria é facilitar o acesso de refugiados sírios recém-chegados à Suécia com os órgãos do governo de lá. Com isso, as empresas pretendem reduzir as barreiras de comunicação que os refugiados enfrentam ao chegar em outro país. Essa medida deve ajudar os refugiados com os entraves burocráticos que eles precisam enfrentar no momento difícil de solicitar cidadania após refugiar-se de seu país de origem.

publicidade

No projeto, a Microsoft é a responsável pela parte de tecnologia de tradução em tempo real. A empresa já oferece tradução de conversas em tempo real por meio do Skype desde pelo menos dezembro do ano passado. E recentemente, segundo o MSPoweruser, a empresa liberou também o dialeto sírio da língua árabe para ter acesso a esse recurso, o que possibilita que o sistema funcione. 

Testando entre amigos

Por enquanto, o recurso ainda está em fase de testes. Esse período deve durar quatro semanas, e durante ele o serviço será testado por quatro pares de amigos, cada par composto por um jovem sueco e um jovem sírio recém-chegado ao país. Uma vez terminados os testes, o serviço será disponibilizado para todos os refugiados no país.

Trata-se de uma medida importante. Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, a guerra civil na Síria já levou mais de cinco milhões de pessoas a se refugiar nos países vizinhos – sem contar as que buscaram refúgio em países mais distantes.

publicidade

Só na Europa, foram mais de 880 mil solicitações de asilo entre abril de 2011 e outubro de 2016, de acordo com a Al Jazeera. Dessas, dois terços foram na Alemanha e na Suécia, o que indica que o país tem de fato motivos para investir no atendimento dessas pessoas.