EnglishPortugueseSpanish

Moto G é a principal linha de smartphones da Motorola, pelo menos no Brasil. O aparelho é presença constante nas listas mensais de smartphones mais buscados do país e, só neste ano, ganhou cinco novos modelos de quinta geração.

Hoje, é possível encontrar nas lojas o Moto G5, Moto G5 Plus, Moto G5s e Moto G5s Plus, falando apenas dos aparelhos lançados em 2017. Os preços variam entre R$ 800 e R$ 1.500 e, para quem não é profundo conhecedor de especificações de celulares, decidir qual é o ideal pode ser desgastante.

publicidade

Sendo o Moto G um aparelho em alta e diante das promoções de Black Friday na próxima sexta-feira, 24, elaboramos um comparativo para ajudar você que quer comprar um desses celulares da Motorola a escolher a versão ideal para os seus hábitos de consumo.

Confira o comparativo nos parágrafos abaixo.

Tela: qual é a melhor?

Todas as versões do Moto G de quinta geração usam um painel IPS LCD de resolução Full HD (1080p). A diferença fica nos detalhes: as versões “S” (Moto G5s e G5s Plus) usam um vidro de 2.5D que gera uma suave curva nas beiradas. Isso ajuda o display a parecer maior e as bordas parecem menores. Por isso as versões S são melhores nesse quesito.

publicidade

Outra diferença é o tamanho: o Moto G5 tem uma tela de 5 polegadas; o Moto G5 Plus e o Moto G5s têm tela de 5,2 polegadas; e o Moto G5s Plus tem tela de 5,5 polegadas. Neste ponto, porém, tudo depende da preferência de cada um. Mas vale lembrar que o tamanho do painel também influencia na resolução.

O Moto G5, de 5 polegadas, exibe 441 pixels por polegada, já que a tela é menor e precisa condensar mais informação. O Moto G5s Plus, por sua vez, com suas 5,5 polegadas, exibe 401 pixels por polegada, o que oferece mais nitidez às imagens, ainda que a definição seja a mesma.

Portanto, Moto G5s e Moto G5s Plus têm telas ligeiramente melhores que as do Moto G5 e G5 Plus, mas, por outro lado, estão nos smartphones mais caros. Depende de cada um decidir investir mais ou não, de acordo com sua preferência por tamanho e design.

Reprodução

Performance: qual é mais rápido?

A linha Moto G deste ano usa dois processadores: o Moto G5 e o G5s têm um Snapdragon 430, enquanto o G5 Plus e o G5s Plus usam um Snapdragon 625. Aqui não tem segredo: quanto maior o número, mais rápido e mais eficiente é o processador. Por isso os modelos “Plus” são melhores, mais rápidos e, consequentemente, mais caros.

Por outro lado, quase todos os modelos vêm com 2 GB de memória RAM, com exceção do Moto G5s Plus, que vem com 3 GB. Aqui também não tem segredo: quanto maior o número de gigabytes de RAM, mais tarefas o celular consegue gerenciar ao mesmo tempo, e menores são as chances de travamento. Isto não vale para qualquer celular de qualquer marca, porém, já que cada fabricante aplica um sistema próprio de gerenciamento de memória.

Todas as versões vêm com 32 GB de memória interna, embora apenas 28 GB estejam disponíveis quando o usuário tira qualquer um destes celulares da caixa, já que quase 4 GB vêm ocupados pelo sistema operacional e apps pré-instalados.

No papel, portanto, o Moto G5s Plus é o mais rápido, ideal para quem usa bastante o celular. Em contrapartida, porém, ele é também mais caro que o G5 e o G5s, mas mais barato e eficiente que o G5 Plus.

Veja onde comprar o Moto G

Bateria: qual dura mais?

Aqui é mais difícil acertar. Em termos de especificações, quase todos os modelos usam baterias de 3.000 mAh, com exceção do Moto G5 que usa uma de 2.800 mAh, um pouco menor. Mas os números de miliamperes-hora são apenas um dos fatores a se considerar quando o assunto é bateria.

Embora todos os celulares usem telas de LCD e resolução Full HD, o tamanho influencia na bateria. Quanto maior o display, mais energia ele gasta para iluminar o painel de LCD. O mesmo vale para o processador: quanto mais rápido, mais “faminto” por energia.

O Snapdragon 625, presente no G5 Plus e no G5s Plus, consome mais do que o Snapdragon 430, presente no G5 e no G5s. Apesar de tudo isso, a Motorola é conhecido por fazer um bom trabalho no gerenciamento de bateria, oferecendo aparelhos com boa autonomia apesar das células de energia relativamente pequenas.

Vale lembrar ainda que a diferença entre todos estes smartphones é mínima: não espere que um dure muito mais ou muito menos que o outro, já que suas especificações são parecidas. Tudo depende também do seu hábito de uso: quem fica mais tempo com a tela do celular ligada certamente terá uma experiência diferente de quem só encosta no celular quando não está trabalhando.

Em tese, portanto, o Moto G5 Plus e o Moto G5s são os que melhor equilibram consumo de energia.

Câmeras: qual tira as melhores fotos?

Nesta comparação, vários números desequilibram a balança. O Moto G5s Plus é o único da linha que vem com duas câmeras na traseira, que podem ser usadas para executar truques de profundidade, como deixar o plano de fundo borrado e o primeiro plano em destaque.

O efeito não é tão preciso quanto o de celulares mais caros, como o Galaxy Note 8 e o iPhone 8 Plus. Mas se as condições forem ideais, até quebra um galho. Entretanto, isto não faz do Moto G5s Plus o melhor no quesito câmera automaticamente.

O Moto G5 tem apenas uma câmera traseira de 13 MP e abertura de f/2.0; o Moto G5 Plus tem menos resolução, 12 MP, mas um diafragma mais aberto, de f/1.7, o que permite a entrada de mais luz e uma performance ligeiramente melhor em ambientes de pouca iluminação.

Já o Moto G5s tem uma câmera de 16 MP, a maior resolução de todas, e abertura de f/2.0, tão fechado quanto o do Moto G5 mais barato. Por fim, cada uma das duas câmeras do Moto G5s Plus tem 13 MP e abertura de f/2.0, o que não significa que a resolução é somada, já que as câmeras atuam em conjunto para formar uma foto só.

Teoricamente, as câmeras dos modelos Plus (G5 Plus e G5s Plus) são as melhores por serem capazes de captar mais detalhes mesmo em ambientes pouco iluminados. Por outro lado, na parte frontal, o Moto G5s Plus é o celular que consegue tirar melhores selfies.

A câmera frontal do aparelho tem 8 MP e abertura de f/2.0, enquanto todos os outros tiram selfies de 5 MP e, com exceção do Moto G5s, têm abertura de f/2.2. Quem gosta de registrar autorretratos, portanto, vai curtir mais o Moto G5s Plus. Quem quiser um bom equilíbrio entre a qualidade da câmera frontal e traseira, deve preferir o mesmo modelo.

Design: como saber qual é qual?

Todos os celulares da Motorola são parecidos visualmente, mas dá para notar as diferenças na linha G sem precisar verificar as especificações. Primeiro, pelo tamanho: o Moto G tem 5 polegadas, então é o menor de todos. O G5s Plus tem 5,5 polegadas, então é o maior de todos.

Porém, o Moto G5 Plus e o G5s são quase do mesmo tamanho: 5,2 polegadas. A diferença entre eles está, principalmente, na traseira: repare nas linhas de antena. No G5 Plus, elas ficam nos cantos, enquanto no G5s, há uma grande faixa horizontal no topo da parte de trás.

Reprodução

Outra diferença está no já citado design do vidro frontal: há uma suave curva nas beiradas da tela nos modelos S que não existe no G5 e G5 Plus. Por isso as bordas destes dois são visualmente maiores. Por fim, repare no logo: o “M” de Motorola dos modelos S é levemente “afundado”, enquanto que no G5 e G5 Plus ele possui alto relevo.

Conclusão: qual devo comprar?

Antes de qualquer coisa, tenha em mente qual é o preço sugerido de cada celular no site oficial da Motorola antes da Black Friday: o Moto G5 custa R$ 800; o Moto G5 Plus custa R$ 1.500; o Moto G5s custa R$ 900; e o Moto G5s Plus custa R$ 1.300.

Vale a pena ficar de olho em promoções que derrubem consideravelmente este preço. Com sorte, você talvez possa encontrar todos eles por menos de R$ 1.000, o que seria um investimento muito bem feito.

Se você tem um orçamento apertado, o Moto G5s custa pouco mais que o G5 e é melhor em quase todos os sentidos, especialmente a câmera. Se você não tem limites do quanto gastar, o Moto G5s Plus, que nem chega a ser o mais caro, é o melhor num balanço geral pensando em custo-benefício.

E o Moto G4?

Reprodução

Mas se você não se importa em ter o smartphone mais moderno do momento, não há problema algum em apostar em um Moto G de quarta geração, que, a esta altura, está bem mais barato. O Moto G4 Plus, lançado no ano passado, é o único da linha G de 2016 que deve receber atualização para o Android 8.0 Oreo e ainda é melhor, em muitos aspectos, do que o Moto G5 deste ano, por exemplo. Portanto, ainda vale a pena dar uma chance a ele.