EnglishPortugueseSpanish

Uma empresa norte-americana chamada BitScope apresentou nesta semana, durante uma convenção nos EUA, uma nova solução para departamentos de TI trabalhando com grandes volumes de dados. A companhia montou um supercomputador usando 750 placas de Raspberry Pi 3.

O Raspberry Pi 3 é um minicomputador programável que vem com processador quad-core, 1 GB de memória e diversas portas USB, custando cerca de US$ 35 nos EUA. As 750 unidades foram montadas em cinco clusters, de modo que cada um ficou com 600 núcleos preparados para rodar aplicações de HPC.

publicidade

O projeto foi feito em colaboração com o Laboratório Nacional de Los Alamos do Departamento de Energia dos Estados Unidos. O objetivo dos desenvolvedores é usar esse supercomputador caseiro para criar e experimentar softwares que mais tarde serão usados em data centers e supercomputadores mais “profissionais”.

Ao Digital Trends, um porta-voz da BitScope explicou que o laboratório de Los Alamos já tem um supercomputador chamado Trinity, que possui 19.420 nós usando processadores Intel Xeon. Só para montar um desses, o Departamento de Energia dos EUA gastou US$ 250 milhões, sem contar os custos extras de manutenção.

Para criar e testar softwares para o Trinity, o laboratório precisaria de outro supercomputador de potência parecida. O problema é que ninguém queria gastar mais US$ 250 milhões só para fazer uma máquina onde os programas seriam testados e não realmente usados no dia a dia.

Foi aí que a BitScope, contratada para resolver o problema, teve a ideia de improvisar uma supermáquina usando placas de Raspberry Pi. Cada cluster montado pela empresa custa, em média, US$ 5.250 – o que ainda é muito, mas bem menos do que os US$ 250 milhões de um outro Trinity.

publicidade

Usar Raspberry Pies para montar um cluster caseiro não é novidade, mas tantos num sistema só é algo raro de se ver. Por enquanto, porém, a criação da BitScope é apenas um projeto piloto. A empresa pretende vender separadamente, em breve, clusters de 150 Raspberry Pies cada, para as empresas que também quiserem experimentar um supercomputador caseiro e mais barato.