Em um encontro realizado nesta sexta-feira, 9, em Londres, o Facebook anunciou novidades para reforçar sua missão de “dar às pessoas o poder de construir comunidades e aproximar o mundo”. Isso inclui a introdução de diversas novas ferramentas para os grupos dentro da rede social.

Uma das novidades é um painel de “ferramentas administrativas”, que concentrará opções de solicitações de novos membros, insights e outros recursos num só lugar, facilitando o trabalho dos moderadores.

publicidade

Além disso, os administradores poderão compartilhar nos grupos até dez “novidades” por dia. Essas novidades são posts que aparecerão em destaque no topo do feed do grupo. A criação de regras também ficará mais fácil e padronizada nas comunidades do Facebook.

Por fim, a rede social anunciou novas ferramentas de personalização. “Cada comunidade tem sua própria identidade”, argumentou o Facebook, acrescentando que “agora os administradores podem adicionar uma cor personalizada que é exibida em todo o grupo”.

Investimento

Além dessas ferramentas, o Facebook anunciou também um programa de investimentos em ativistas dentro e fora da rede social. A empresa vai investir até US$ 10 milhões em líderes que tenham projetos para reforçar a organização de suas comunidades na internet.

Cinco pessoas serão escolhidas para receber, cada uma, US$ 1 milhão, enquanto outras 100 vão receber US$ 50 mil cada, totalizando um investimento de US$ 10 milhões. Interessados em se inscrever no Programa de Líderes de Comunidades do Facebook podem fazê-lo neste site.

No evento desta sexta em Londres, o Facebook reuniu algumas das comunidades que a empresa planeja apoiar, como a Blind Veterans UK, “uma organização britânica que oferece apoio a veteranos cegos e suas famílias”; e a Girl Skate UK, “que celebra e reúne a comunidade feminina de skateboarding”.

“Líderes de comunidades muitas vezes nos falam que, com suporte adicional, eles poderiam ter mais impacto”, explicou o Facebook no anúncio oficial da novidade. “O Programa de Líderes de Comunidades do Facebook foi desenhado para capacitar líderes de todo o mundo que estão criando comunidades por meio da família de aplicativos e serviços do Facebook.”

E para oferecer mais segurança aos grupos, o Facebook disse que vai duplicar o número de pessoas trabalhando com prevenção de abusos no seu centro de engenharia em Londres – o maior que a empresa tem fora dos EUA. Esse aumento de pessoal servirá para “detectar e agir contra contas falsas”, “reduzir assédio e golpes que podem acontecer no mundo real e no Facebook” e “melhorar as formas de reportar conteúdo”.

Por que tudo isso?

Em junho do ano passado, o fundador e CEO do Facebook anunciou que a rede social iria, pela primeira vez, mudar sua missão, que desde as origens da empresa vinha sendo “tornar o mundo mais aberto e conectado”. Com 2 bilhões de usuários, não é possível falar que a empresa falhou em sua missão, mas o resultado disso não foi exatamente positivo.

O próprio Zuckerberg admitiu que a rede social pode ter contribuído para a polarização de grupos online e para a formação de “bolhas” ideológicas na internet. Foi por isso que a missão mudou. Se praticamente todas as pessoas com acesso à internet já estão conectadas ao Facebook, a próxima parte é fazer com que elas se aproximem, em vez de se afastarem.

Daí surgiu a missão de “dar às pessoas o poder de construir comunidades e aproximar o mundo”. Desde então, o Facebook vem anunciando uma série de mudanças, como a redução do alcance de páginas e a priorização de pessoas e o privilégio dado a notícias locais no feed. Os investimentos anunciados nesta sexta são apenas o passo mais recente na jornada do Facebook rumo ao seu objetivo de dar mais força às comunidades dentro da rede social.