A campanha dos Estanos Unidos contra a empresa chinesa Huawei chegou aos ouvidos de autoridades brasileiras, segundo uma reportagem da agência de notícias Reuters. A advertência dos EUA foi feita durante a visita do presidente Jair Bolsonaro a Washington, nesta semana.

Segundo membros do governo norte-americano que não quiseram se identificar, autoridades dos EUA falaram às brasileiras a respeito dos supostos “perigos” envolvendo o equipamento de telecomunicações da Huawei. Segundo os norte-americanos, a Huawei pode ser usada como ferramenta de espionagem do governo chinês.

publicidade

“Eles tiveram toda uma série de diferentes reuniões aqui onde ouviram de nossos especialistas em segurança, questões de inteligência e outras áreas para entender as consequências dessas redes e o quão francamente perigosas, e como elas podem minar sua segurança internamente”, disse a fonte anônima da Reuters.

Um membro da delegação brasileira em Washington, que também não quis se identificar, confirmou a conversa cobre Huawei, mas disse que “o Brasil não quer ficar no meio da disputa entre Estados Unidos e China” em relação à empresa. A mesma autoridade disse que, no momento, o governo brasileiro não estuda qualquer sanção à Huawei.

Bolsonaro chegou em Washington, capital dos EUA, na tarde do último domingo, 17. Ele é acompanhado por uma comitiva de assessores e ministros, entre os quais estão Paulo Guedes (da economia) e Sérgio Moro (justiça e segurança pública).

Nesta terça-feira, 19, o presidente terá seu primeiro encontro bilateral como chefe de Estado com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, sede do governo federal norte-americano. Entre outros assuntos, os dois mandatários devem falar sobre o uso de uma base de lançamento de foguetes no Brasil e, possivelmente, sobre a Huawei e a China.

Huawei no Brasil

Recentemente, o ministro da Ciência e Tecnologia do Brasil, Marcos Pontes, disse que a Huawei não está sob investigação no país, mas que a decisão sobre o futuro da empresa e do 5G por aqui caberá ao presidente Bolsonaro. A Huawei é fornecedora de equipamentos de telecomunicação que servem para a instação de antenas de sinal 4G e 5G no mundo todo.

Pontes ainda declarou que não foi feita uma análise específica de cada uma dessas possibilidades. “Não se muda a infraestrutura de um país de uma hora para outra. A questão tem de ser pensada, analisada com fatos para tomarmos decisão baseada em realidade”.

A Huawei, que atua no Brasil oferecendo infraestrutura de telecomunicações a operadoras há mais de uma década, confirmou que pretende voltar a vender smartphones por aqui em maio. A empresa já é uma das maiores vendedoras de celulares do mundo, atrás apenas da coreana Samsung.

EUA versus Huawei

Nos últimos tempos, o governo dos EUA tem liderado uma campanha contra a Huawei. No começo de 2018, a empresa foi barrada ao tentar vender seus smartphones por lá. Mais recentemente, os norte-americanos tentam convencer aliados a não utilizar equipamentos da empresa chinesa.

Os EUA acreditam que a Huawei tem ligações próximas ao governo da China e que pode estar vazando informações sigilosas de outros países para Pequim. O estado chinês nega que esteja espionando o Ocidente através da Huawei, e a empresa nega que esteja vazando informações ao governo da China.

Em dezembro de 2018, essa briga levou à prisão Meng Wanzhou, vice-presidente do conselho administrativo da Huawei e também presidente financeira da empresa (CFO). A executiva, que também é filha de Ren Zhengfei, fundador da Huawei, foi presa no Canadá a pedido dos EUA por ignorar sanções impostas ao Irã.