O presidente da República, Jair Bolsonaro, autorizou a operação que pretende privatizar os serviços da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), popularmente conhecida como Correios. Segundo o portal G1, ela teria entrado na lista dos próximos planos do governo, com a alegação de que seu modelo de negócios estaria ultrapassado e necessitando de uma renovação.

No dia 20 de março a empresa completou 50 anos de fundação e, na avaliação presidencial, é necessária uma transformação rápida para que a estatal continue viva e aproveite a tendência de crescimento do e-commerce. Segundo a apuração da jornalista Cristiana Lobo, quem anunciou a decisão foi o ministro da Economia, Paulo Guedes, no programa Central da Globo News. Na noite de quarta-feira (17/4) ele afirmou que Bolsonaro havia incluído uma nova empresa no programa de privatização.

publicidade

“Tem empresas que vão ser privatizadas que vocês nem suspeitam ainda”, afirmou Guedes, acrescentando em seguida que o presidente havia concordado com a medida. O ministro já defende a venda da ECT e de, aproximadamente, outras cem empresas públicas. Além dele, Bolsonaro, durante sua campanha presidencial, também usou a privatização como proposta e citou a possibilidade da venda dos Correios.

Ao longo dos anos, casos de corrupção envolvendo a ECT acabaram vindo à tona, incluindo o mensalão. Dois dos problemas atuais da empresa, segundo o economista Gregório Matias em entrevista ao portal O Povo, são a ingerência política e o engessamento por conta do emparelhamento estatal.

Uma fonte do governo afirmou ao G1 que apenas pelo fato do assunto entrar em pauta, muitos interessados já surgiram. Entretanto, o tema ainda precisa ser debatido, uma vez que muitos outros ministros se opõem à decisão. 

Via: G1