EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Depois de três anos fora do mercado de smartphones brasileiro, a Huawei retornou ao país com o seu carro-chefe para 2019, a linha P30, mais precisamente o mais avançado de todos, o P30 Pro. Apesar de também trazer um modelo mais acessível para competir no segmento intermediário Premium – o P30 Lite – a gigante da tecnologia chinesa possui uma estratégia clara: crescer mundialmente aumentando a participação em um mercado no qual não participava, competindo direto com a Apple e, principalmente, a Samsung.

No ano passado, enquanto a Samsung e a Apple tiveram perdas, a Huawei aumentou a participação no mercado mundial e se tornou a segunda maior fabricante de smartphones do mundo, superando a Apple e chegando mais perto da Samsung. Para continuar neste ritmo, retornar ao Brasil era inevitável.

publicidade

Na última terça-feira (30/4), os executivos da fabricante anunciaram oficialmente os smartphones que chegam ao varejo nacional a partir de 17 de maio e, claramente, a estratégia é retirar parte dos 42,81% de participação do mercado de smartphones da Samsung no Brasil. De quebra, a empresa pode abocanhar parte dos 23,99% de participação da Motorola também.

Com a saída da Sony da América Latina, a crise na LG, os altos preços praticados pela Apple no Brasil e a Samsung não mexendo em time que está ganhando, a Huawei representa o novo, algo que há muito tempo não temos no Brasil. Para adquirir um dispositivo da gigante chinesa, era preciso importar o aparelho, havia problemas com questões de homologação, retenção do dispositivo pela Polícia Federal e a insegurança de não receber o aparelho. Porém, ainda assim, para um pequeno grupo de importadores, era uma opção viável. Agora, essas barreiras caem por terra.

Olhando para a dinâmica do mercado de smartphones brasileiro, no qual já se paga mais por um smartphone que permanecerá funcional por mais tempo, ou seja, de um intermediário premium a um topo de linha, a Huawei fez uma excelente opção em trazer o P30 Lite e o P30 Pro. Contudo, existe um grande desafio: se tornar conhecida pela grande maioria de consumidores.

Partindo do zero

publicidade

Estes dois aparelhos foram anunciados em março deste ano, mas só chegarão ao Brasil em meados de maio. Com isso, a empresa já perdeu a oportunidade de vender estes aparelhos em um dos maiores eventos do comércio nacional, o Dia das Mães. Mas vamos relevar esse fato. A questão, na verdade, é mais embaixo. A Huawei precisa construir seu nome no mercado nacional praticamente do zero. Tanto isso é verdade, que nem mesmo durante o evento de lançamento dos P30 havia um consenso sobre a pronúncia do nome da empresa por aqui: “Ráuei”… “Ruáwei”… “Uawei”?

Além disso, a Samsung – além da sua ampla gama de celulares em todos os segmentos – está presente em lojas físicas, lojas online, investe pesado em publicidade  off e online, e na TV com a Anitta. A Huawei tem um boa equipe de marketing, mas terá que ser excelente para ser conhecida fora do segmento de consumidores “hardcore”de smartphones. E, claro, ter um orçamento generoso para mostrar a sua cara – e qualidade de seus aparelhos – junto ao grande público e não somente entre os early adopters. 

Outro ponto: a empresa deve estar preparada para enfrentar um estranhamento com a experiência de software, já que seus aparelhos trazem a interface do usuário EMUI. Quando a Xiaomi entrou no Brasil, o então vice-presidente Hugo Barra, teve que explicar por A + B, em detalhes, como a MIUI funcionava, para diminuir a distância entre o software da Samsung e o da Motorola. Afinal, o MIUI é repleto de modificações e extras, enquanto os softwares de seus rivais eram mais próximos do Android puro e contando com maior familiaridade dos brasileiros – afinal as marcas já estavam no país há tempos.  

Para além disso, a meu ver, a Huawei também pode ter cometido um erro estratégico: em um país, como o Brasil, onde 67% dos aparelhos vendidos pertencem à categoria de intermediários, faria bem à empresa mostrar o seu poderio nesse segmento. Afinal, ela tem bons modelos nessa modalidade, como as linhas Honor, Nova e a P Smart, que seriam bons cartões de visita para convencer quem ainda não está disposto a gastar em uma marca que mal conhece. 

Por que não citei a Apple ainda? Porque em relação à fabricante do iPhone, o processo é diferente. A Huawei representa novidade e sofisticação, porém, ainda usa o sistema operacional Android e não possui o status da empresa da Maçã por aqui. Aliás, até a Xiaomi tem uma fama muito maior por aqui do que a Huawei.

A grande vantagem

A vantagem da Huawei é que ela conhece o mercado latino americano, pois está presente em muitos dos nossos vizinhos e conhece os meandros e as idiossincrasias de cada país da região – até melhor que a compatriota Xiaomi, diga-se. Além disso, o Brasil é o quarto maior mercado mobile do mundo, ficando atrás da China, Índia e Estado Unidos. Nos dois primeiros, a Huawei reina, já no último, vive  uma crise diplomática. O sucesso da Huawei no Brasil ainda é uma incógnita, mas os brasileiros são curiosos e estão há muito tempo sem novidades. Neste contexto, a gigante chinesa pode se tornar o atual “must have”.

O Huawei P30 Pro chega às lojas Americanas.com custando R$5.499, o mesmo preço do Galaxy S10+. O Huawei P30 Lite custa R$2.499, ficando 900 reais acima do valor de mercado na Europa. Conhecendo o mercado nacional, os aparelhos irão baixar de preço em três meses, logo, teremos um retorno do desempenho da empresa apenas no segundo semestre de 2019. Porém, dada a conjuntura atual, as chances da Huawei ter sucesso, são maiores do que não ter.

Você trocaria o seu smartphone por um Huawei? Por quê?