Elon Musk terá todos os seus tweets sobre a Tesla supervisionados e pré-aprovados por um advogado da empresa. A decisão veio da juíza da Corte Distrital dos EUA, Alison Nathan, que presidiu o caso e aprovou essa emenda no acordo do ano passado firmado entre o CEO e a Securities and Exchange Commission (SEC). O acordo começou a valer a partir desta terça-feira (30/4).

Ambas as partes estão há semanas em negociação, em uma briga que já existe faz tempo. A emenda proposta pela SEC anteriormente pedia que todas as comunicações públicas do CEO da Tesla fossem vetadas. No entato, Musk rejeitou a proposta e o acordo firmado é uma versão mais suavizada disso, com uma lista de tópicos que devem passar por advogados. São eles: 

publicidade
  • Condições financeiras, declarações ou resultados da Tesla, incluindo ganhos ou orientação;
  • fusões, aquisições, disposições, ofertas de aquisição ou joint ventures;
  • números de produção, vendas ou entrega (reais ou estimados) que não foram compartilhados, ou aqueles que diferem da orientação oficial da Tesla;
  • linhas de negócios novas ou propostas não relacionadas aos negócios existentes da Tesla (definidos no arquivamento como “veículos, transporte e produtos de energia sustentável”);
  • mudanças no status dos títulos da Tesla, linhas de crédito ou acordos de financiamento / empréstimo;
  • achados ou decisões legais ou regulamentares não públicas;
  • qualquer coisa que exija o preenchimento de um formulário 8-K com a SEC, incluindo mudanças no controle da empresa, ou para seus executivos e diretores;
  • qualquer outro tópico que a Tesla – ou a maioria de seus membros independentes do conselho de administração da empresa – acredita precisar de pré-aprovação;

Originalmente, em setembro do ano passado, Musk twittou que considerava recomprar as ações da Tesla assim que elas atingissem $420 dólares (de acordo com o CEO, ele tinha fundos guardados para fazer a empresa deixar de ser de capital aberto). Ele postou essas informações enquanto as negociações de investidores ainda aconteciam, o que gerou um salto súbito no preço das ações. 

Depois disso, a SEC iniciou uma investigação e descobriu que Musk nunca tinha pensado verdadeiramente em recomprar as ações. E, no fim de setembro, as partes chegaram em um acordo: Musk teria de deixar de ser o presidente por três anos, pagar U$20 milhões de dólares em multas e concordar em conceder para supervisão jurídica quaisquer comunicações públicas sobre a empresa, incluindo seus tweets, que poderiam afetar o preço das ações da fabricante. 

Contudo, em fevereiro, Musk twittou que a Tesla produziria cerca de “500 mil Modelos 3s este ano”, o que colidia com relatórios liberados antes pela empresa. E assim, a SEC descobriu que Musk não tinha, de fato, nenhum de seus tweets sobre a fabricante de carros pré-aprovados pelo advogado interno desde que o acordo entrou em vigor.

Agora, a emenda aprovada traz algo mais próximo do que a SEC queria, já que Musk estará sujeito à supervisão sobre uma série de tópicos específicos relacionados a Tesla. Ainda assim, ele não precisará ter todos os tweets fora da empresa aprovados.

Via: The Verge