EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Na semana passada, o governo dos EUA tomou uma medida bastante questionável em relação à Huawei: eles proibiram a empresa de operar no país, sob a alegação de que esta usaria sua infraestrutura de telecomunicação para facilitar a espionagem chinesa. A decisão foi bastante questionada, mas foi aceita pela empresa, que já está se preparando para operar sozinha, depois que perdeu a autorização para uso do Android e alguns fornecedores de componentes.

Donald Trump deu uma declaração inesperada sobre o assunto à imprensa, após evento com grupos agrícolas na tarde desta quinta-feira (23). Um repórter questionou Trump sobre os movimentos contra a Huawei. Confira a conversa:

publicidade

TRUMP: A Huawei é bastante perigosa. Se você olhar o que eles fizeram, do ponto de vista de segurança e militar, é muito perigoso. Porém, é possível que ela seja incluída em algum tipo de acordo comercial. Se fizéssemos um acordo, poderia imaginá-la como parte dessa proposta.

REPÓRTER: Como seria isso?

TRUMP: Seria muito bom para nós.

REPÓRTER: Mas a parte da Huawei, como você projetaria isso?

publicidade

TRUMP: É muito cedo para dizer. Estamos apenas preocupados com a Huawei do ponto de vista de segurança.

Em sua declaração, Trump deixou claro que considera a empresa uma ameaça à segurança nacional, mesmo assim, ele disse que poderia fazer um acordo comercial com eles. Essas afirmações podem ser consideradas incompatíveis.

Essa resposta do presidente americano pode ser considerada polêmica e intrigante. Se a Huawei represente uma ameaça à segurança do país, não há como um acordo comercial ser fechado. Se a China está de fato usando sua rede para espionar os EUA, não há garantias de que eles deixam de fazer isso por conta de um acordo assinado por eles, já que a obtenção desses dados é secreta.

Ao pensar sobre tudo isso podemos concluir que Trump precisa esclarecer diversos pontos dessa proibição. Até o momento, as pessoas estão apenas especulando os reais motivos do bloqueio de operações da Huawei no país.

 

Via: The Verge