A Apple pretende colocar seus processadores personalizados dentro dos Macs nos próximos anos, e os planos para que isso se concretize estão a todo vapor. De acordo com a Bloomberg, a gigante californiana acabou de contratar Mike Filippo, responsável pela engenharia de uma boa quantidade das CPUs da ARM, potência no setor de arquitetura de chips. Filippo também ajudou a projetar o Cortex-A76, que foi incluído recentemente no processador Snapdragon 855, da Qualcomm.

A Bloomberg especula que Filippo chega para ocupar um cargo de suma importância na Apple, vazio desde a saída de Gerard Williams III, arquiteto-chefe dos processadores da Apple, ainda neste ano. A companhia não comentou sobre a contratação, apesar da ARM deixar claro que Filippo foi desligado do quadro de funcionários. Uma conta do LinkedIn em nome do engenheiro o relaciona a um emprego na Apple desde maio. Antes disso, ele ocupou cargos semelhantes na Intel e na AMD.

publicidade

Quando o Cortex-A76 foi anunciado, no ano passado, Filippo disse pensar que a arquitetura do chip “se daria bem contra a Apple”. Há anos, os processadores de smartphone e tablet da Apple superam por uma larga vantagem os chips das empresas rivais, ao serem dotados de núcleos produzidos internamente – e isso se manteve mesmo com os últimos produtos da ARM.

Até o momento, porém, a ARM e a Apple não parecem estar em rota de colisão. A Apple ainda se apoia no passo a passo da ARM para produzir seus processadores personalizados, e trazer alguém familiarizado com a arquitetura baseada na tecnologia da rival não é nada além de um passo natural. Afinal, a gigante californiana procura aumentar a capacidade e o potencial dos seus próprios chips.

Com os chips da Apple isolados na liderança entre os smartphones e tablets, o próximo passo é colocá-los dentro de um Mac nos próximos anos. Seria uma grande mudança para os laptops e desktops da Apple e que poderia exigir muitos códigos reescritos. Mas isso permitiria à Apple se desvincular da Intel, que tem apresentado lentos avanços na tecnologia de processadores, e conseguir uma integração ainda maior entre o hardware e o software em seus dispositivos.

Fonte: The Verge