Paul Hutton, de 48 anos, passou por uma cirurgia cardíaca depois que seu Apple Watch o avisou de que ele estava com os batimentos cardíacos irregulares. Ele foi notificado por seu smartwatch de que sua frequência cardíaca estava sempre caindo abaixo de 40 bpm – uma frequência cardíaca normal fica entre 60 bpm e 100 bpm enquanto a pessoa está de repouso.

Ele foi encaminhado a um médico que o diagnosticou com bigeminia ventricular, uma condição que faz com que o coração bata irregularmente e, portanto, seja incapaz de bombear o sangue de forma eficaz.

publicidade

A cirurgia, que durou três horas, foi um sucesso. Hutton se recuperou muito bem do procedimento e, ao ser questionado, disse: “continuo verificando o meu pulso no Apple Watch e tudo parece bem.”

Wearables como o Apple Watch, poderiam “revolucionar” a forma como doenças cardíacas são diagnosticadas, de acordo com Ashleigh Li, enfermeira sênior da Fundação Britânica do Coração.

“Como mostra a história de Paul, eles oferecem um enorme potencial para detectar sinais de batimentos irregulares antes de uma pessoa ter sintomas perceptíveis”, Li disse. E acrescentou: “No entanto, mais pesquisas são necessárias para determinar como podemos utilizar melhor os dados gerados por esses dispositivos.”

Via: Telegraph