EnglishPortugueseSpanish

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, foi fotografado portando um iPad, em um ponto de checagem de bagagens de um aeroporto. Pode parecer uma situação comum, mas sua própria empresa é uma produtora de tablets. A Huawei não comentou a foto.

O fato de Zhengfei usar um iPad, no entanto, não é nada inesperado. O próprio CEO já admitiu ser um fã da Apple e utilizar seus produtos. Não é a primeira vez que a Huawei demonstra ter alguma ligação com a companhia rival. Em janeiro deste ano, dois funcionários da gigante chinesa foram multados por terem publicado, pelo iPhone, um tuíte desejando feliz ano novo. Na época, a Huawei alegou que seus funcionários tiveram um problema com VPN, sendo obrigados a usar um dispositivo móvel. Vale lembrar que, na China, o Twitter é bloqueado, então até mesmo empresas locais precisam usar VPN.

publicidade

Já em dezembro do ano passado, a filha de Ren Zhengfei e diretora financeira da empresa, Meng Wanzhou, foi presa portando diversos aparelhos da concorrente. Ela estava com um iPad Pro, um iPhone 7 Plus e um MacBook Air, além de um Huawei Mate 20. Meng é acusada de ajudar o Irã a escapar das sanções promovidas pelos Estados Unidos utilizando a Huawei.

Em maio, Zhengfei chegou a dizer à imprensa que seus filhos “preferem produtos da Apple ao invés de Huawei. Isso quer dizer que eles não amam a Huawei? Claro que não.” Ele ainda explicou que compra produtos da Apple quando sua família está fora da China. Além disso, alegou que a empresa norte-americana é sua “professora”.

Mesmo sendo dono de uma das maiores fabricantes de celulares do mundo, Ren Zhengfei prefere utilizar tablets da concorrência, e não o seu MediaPad. Assim como aconteceu com o CEO da Huawei, Steve Jobs já foi flagrado utilizando um IBM ThinkPad pouco após retomar seu cargo na Apple, para trabalhar numa apresentação. 

Zhengfei declarou que, apesar do embargo proposto pelos Estados Unidos à sua emrpesa, ele jamais seria favorável a uma proposta de banimento ou boicote de produtos Apple na China, assim como aconteceu com a Huawei no país americano. 

Via: Gizmodo