EnglishPortugueseSpanish

Nesta quarta-feira (30), a DJI anunciou mais um membro da linha Mavic, o Mavic Mini. O pequeno drone dobrável tem, aproximadamente, o tamanho de três smartphones empilhados e pesa 249 gramas, o que faz com que ele não precise ser registrado na Federal Aviation Administration (FAA). Para ser regulamentado, os drones precisam ter, ao menos, 250 gramas. Com isso, a empresa espera que o Mavic Mini seja “um drone para todos”.

publicidade

Durante um evento de imprensa no Brooklyn, a DJI descreveu o novo produto como “sua câmera voadora de todos os dias”. Ele vem com uma nova câmera que grava vídeos 2.7K, com resolução de cerca de 40% maior que o full HD, mas não tanto quanto 4K. A câmera tira fotos de 12 megapixels e promete estabilidade decente devido ao seu pequeno gimbal de três eixos. 

O tempo de voo também é um atrativo para o público. O drone promete voar por cerca de 30 minutos. Além disso, o Mavic Mini possui um sistema de visão de 2,5 milhas (3.218 metros, aproximadamente), sensor de queda para baixo, um controle remoto recém-projetado e um pairar estável possível devido ao GPS.

Excluindo o fato de caber no bolso do portador, o Mavic Mini pode fazer as mesmas coisas que os primeiros modelos DJI Phantom. A fabricante projetou um novo aplicativo simplificado para tornar o drone mais fácil de pilotar, com tutoriais e um simulador de voo. No entanto, o novo drone não tem a tecnologia de prevenção de obstáculos, o que pode ser um problema para os pilotos iniciantes, que tendem a bater os veículos em árvores, muros e edifícios. 

publicidade

As encomendas para o mavic Mini começaram nesta quarta-feira (30), com duas possibilidades de compra. O pacote básico custa US$ 400, e vem equipado com uma bateria, hélices extras e ferramentas, e fios necessários. Já por US$ 500, o cliente obtém o combo “Fly More”, que inclui gaiolas de hélice 360 graus, um hub de carregamento bidirecional, três baterias, hélices extras e uma mala para colocar o drone. As vendas nas lojas começam no próximo dia 11. 

Via: Gizmodo