Usando dados coletados pela missão Cluster, da Agência Espacial Europeia (ESA), uma equipe de centistas da Universidade de Helsinque mapeou a “canção” gerada pelo campo magnético terrestre quando bombardeado eletricamente por partículas carregadas do Sol. Em conjunto, o teste também revelou o que acontece quando uma tempestade solar atinge a Terra.

Ao todo, foram analisadas mais de duas décadas da missão Cluster. Que por sua vez, consiste em uma investigação do campo magnético terrestre e sua interação com o vento solar, captado por quatro satélites que orbitam nosso planeta.

publicidade

No caso, os ventos solares ocorrem quando as partículas são liberadas pelo Sol e fluem para outras partes do Sistema Solar. Uma tempestade deste material, ou ejeção de massa coronal, ocorre quando o Sol dispara uma explosão de plasma, causada pela liberação de energia magnética. Esse acontecimento é tão poderoso que pode mudar temporariamente a forma do campo magnético da Terra.

A equipe estudou os foreshocks, regiões onde partículas da tempestade solar atingiram primeiro ao se aproximar da Terra, e descobriu que as ondas magnéticas liberadas eram muito mais complexas do que se esperava inicialmente.

“Sempre esperamos uma mudança na frequência, mas não no nível de complexibilidade da onda”, afirmou o líder da equipe Lucille Turc, da Universidade de Helsinque.

A pesquisa também ajuda a entender sobre distúrbios no clima estelar e como eles afetam a tecnologia no solo terrestre e espacial. Além disso, pode ensinar sobre os campos magnéticos dos exoplanetas distantes e como eles são afetados pela sua estrela mãe.

 

Via: Futurism