Jiankui He, o pesquisador chinês condenado à prisão por ter criado bebês geneticamente modificados, foi responsável por mais crianças do que o inicialmente noticiado.

Em novembro de 2018, He anunciou o nascimento de duas crianças que, com uso da tecnologia de edição genética CRISPR, nasceram sem os genes CCR5, uma das portas de entrada do vírus HIV no organismo humano. Mas, ao ser condenado, a justiça chinesa citou uma terceira criança que também nasceu após o procedimento feito pelo pesquisador.

publicidade

Quando anunciou os primeiros bebês, Jiankui citou uma terceira gravidez que estava em andamento, mas nada foi dito sobre ela desde então. Segundo a agência chinesa Xianhua, o pesquisador foi condenado por experimentos em que “três bebês geneticamente modificados nasceram”.

Ou seja, a terceira gravidez foi até o fim e a criança nasceu. No entanto, nenhuma outra informação foi dada sobre o bebê – não se sabe se é menino ou menina, como está de saúde, e nem se sobreviveu aos primeiros meses de vida.

Apesar da China não ter leis que regulamentam a edição genética, o experimento do pesquisador foi criticado dentro do país desde que foi anunciado. Assim, não chega a surpreender que ele tenha sido condenado a três anos de prisão, além de pagar uma multa.

Fonte: Futurism