EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O CEO da Microsoft, Satya Nadella, disse nesta quinta-feira (23), durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que a regulamentação do uso e das aplicações de inteligência artificial “é crucial”. A fala do executivo segue o mesmo tom daquilo que foi dito por Sundar Pichai, CEO do Google, nesta semana.

Durante uma conversa com o presidente e fundador do Fórum, Klaus Scwab, Nadella alertou sobre o risco de deixar o enorme poder que a inteligência artificial dá às máquinas, e aos homens que as comandam, sem controle. Segundo o executivo, os envolvidos não podem abdicar de suas responsabilidades.

publicidade

Uma das críticas que as ferramentas que utilizam inteligência artificial mais recebem é ao preconceito que mostram: devido ao viés dos técnicos, os equipamentos podem demonstrar preconceitos como de raça e gênero. Para Nadella, isso pode ser evitado promovendo a diversidade.

Reprodução

publicidade

O executivo também se referiu à “dignidade dos dados” que as grandes empresas controlam e os dados dos consumidores que eles são capazes de controlar a todo momento. A preocupação de Nadella não é apenas pelo que esses dados representam, mas sim pelo uso deles por parte das empresas.

Ainda de acordo com Nadella, a privacidade dos dados “deve ser vista como um direito humano”, para que os usuários da internet se sintam seguros, apontando a Regulação Geral de Proteção de Dados (GDPR) da Europa como referência para a regulamentação global.

Com a Microsoft, outras gigantes de tecnologia, como Apple e IBM, pediram aos Estados Unidos a adoção de padrões estabelecidos na União Europeia, que colocam mais poder nas mãos dos cidadãos que desejam controlar o uso de seus dados por terceiros e resolver questões de privacidade.

“Precisamos de normas globais para garantir a confiança na tecnologia”, disse Nadella. “Em alguns sentidos, a Europa assumiu a liderança com o GDPR e até o regulou efetivamente. No nosso caso, adotamos esse regulamento e, na verdade, esperamos ver mais de um padrão federal nos Estados Unidos e em todo o mundo”.

Via: The Telegraph