EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Carros autônomos dando voltas no quarteirão. Balões estratosféricos, projetados para transmitir internet para lugares remotos, expostos no saguão. Os robôs classificando a reciclagem de lixo. Este cenário futurista existe – e funciona – hoje, no X, antigo Google X, o laboratório da Alphabet onde são feitas as pesquisas mais inovadoras.

Uma reportagem da revista Wired teve acesso ao local, e contou como é por dentro a “Moonshot Factory”, a fábrica de inovação da empresa, que funciona num antigo shopping em Mountain View, na Califórnia. Sua missão, como explica o “capitão” Eric “Astro” Teller, é “inventar e lançar tecnologias ‘moonshot’ [ambiciosas, disruptivas] que esperamos que algum dia tornem o mundo um lugar radicalmente melhor”.

publicidade

Para esse fim, além dos carros autônomos (que agora são uma empresa independente, a Waymo) e balões de internet (Loon), o X construiu drones de entrega (Wing), lentes de contato que medem glicose nas lágrimas dos diabéticos (Verily) e tecnologia para armazenar eletricidade usando sal fundido (Malta).

Malta, uma empresa Moonshot Factory do X

Isso sem falar nos projetos que ficaram para trás, como o combustível neutro em carbono a partir da água do mar e a ideia de substituir o frete marítimo por dirigíveis de carga. “Certa vez, discutiu seriamente a colocação de um anel de cobre gigante ao redor do Polo Norte para gerar eletricidade a partir do campo magnético da Terra”, conta a reportagem.

Pode até parecer que o X só trabalha em grandes projetos, coisas fantásticas que beiram o absurdo. Mas é bem provável que todos os dias você usa algo desenvolvido lá, como o Google Tradutor, que foi desenvolvido na divisão de aprendizado profundo, bem como melhorias para a Pesquisa. O mesmo aconteceu com o software de câmera GCam, usado em Telefones do Google Pixel; mapeamento interno no Google Maps; e Wear OS, sistema operacional Android para dispositivos vestíveis.

publicidade

“Google Brain, os carros, Verily, tudo mais – esses são sintomas. Efeitos colaterais de tentar coisas estranhas, coisas que dificilmente funcionam”, explica Teller. “Somos uma organização de criatividade, não uma organização de tecnologia”. X, ele explica, não é tanto uma empresa quanto uma maneira radical de pensar, um método de buscar avanços tecnológicos levando a sério ideias malucas. O trabalho de X não é inventar novos produtos do Google, mas produzir as invenções que podem formar o próximo Google.

O X nasceu originalmente do Chauffeur, projeto de carro autônomo do Google, liderado pelo roboticista de Stanford, Sebastian Thrun. Larry Page e Sergey Brin, fundadores da empresa, admiravam Thrun por seu trabalho no Streetview e orientações passo a passo no Google Maps, e no X eles ofereceram a ele liberdade para perseguir ideias igualmente incomuns. “Queríamos impulsionar as tecnologias em muitas direções diferentes, incluindo carros autônomos”, lembra Thrun.

Moonshot Factory do X, em Mountainview, Califórnia

Durante o seu primeiro ano de existência, o X foi um segredo bem guardado, mesmo dentro da empresa. “Eu não queria burocracia, PowerPoints, relatórios financeiros nem supervisão, para que os responsáveis ​​pudessem se concentrar inteiramente no desafio”, afirma Thrun. A maioria das ideias iniciais do projeto veio dos próprios Page e Brin, que se interessaram muito e acabaram se mudando para o prédio de X.

Teller assumiu em 2012, quando Thrun mudou-se para o Coursera, sua empresa de educação on-line. Antes de ingressar no laboratório, Astro (seu apelido) criou um fundo de investimentos de Inteligência Artificial e vendeu uma empresa de sensores vestíveis. Na escola, para compensar a dislexia leve, ele solucionava todos os problemas duas vezes, usando métodos diferentes. “Então, se eu tivesse a mesma resposta, era a resposta certa”, diz ele.

Nem todos os projetos X sobreviveram. Um dos primeiros foi o Google Glass, um computador vestível dentro de um par de óculos. Brin adorou a ideia e pressionou X para transformar os primeiros protótipos em produtos de consumo. Mas no mundo real, Glass enfrentou críticas ruins, zombaria e indignação com possíveis invasões de privacidade. “O verdadeiro fracasso que tivemos com o Glass foi quando estávamos tentando falar sobre isso como uma plataforma de aprendizado, o público começou a responder a ele como um produto”, diz Teller.

O Glass foi descontinuado como produto em 2015, mas ainda existe como uma ferramenta corporativa. “Às vezes, simplesmente não funciona, a tecnologia não está pronta e precisamos parar, interromper e desacelerar”, diz Teller. Ele ainda acredita que um dispositivo parecido com o Glass se encaixará eventualmente.

Uma vez por semana, mais ou menos, as mentes mais inteligentes de X se reúnem em uma sala de conferências e começam a jogar as ideias mais loucas uma atrás da outra. Para ser considerada, uma ideia deve atender a três critérios: abordar um problema global significativo, envolver a invenção de uma tecnologia inovadora e resultar em um resultado radical.

As equipes são incentivadas a definir metas de desempenho e “matar metas” – limites que, se perdidos, terminarão automaticamente o projeto. Por exemplo, o Projeto Foghorn, a tentativa de X de transformar água do mar em combustível, conseguiu produzir combustível, mas não conseguiu fazê-lo de maneira barata o suficiente. X matou o projeto, publicou suas descobertas como um artigo científico e deu um bônus à equipe.

A capacidade de trabalhar com problemas de longo prazo é a grande vantagem do X: a paciência da pesquisa, sem as pressões financeiras de uma startup. “Existe realmente uma grande diferença entre uma taxa de erro de 1% e taxa de erro de 0,001%”, diz Teller, “é improvável que uma falha de software em um aplicativo móvel seja fatal, mas uma em um carro autônomo pode ser”.

Waymo, criado no Moonshot Factory do X

Desde o seu início no X em 2009, a Waymo já registrou mais de 16 milhões de quilômetros em vias públicas. No último ano, a empresa de veículos autônomos operou como um serviço de transporte de passageiros em pequena escala em Phoenix, Arizona, e atualmente trabalha com a Jaguar em sua próxima geração de veículos. A Morgan Stanley avaliou recentemente a empresa em US$ 105 bilhões.

Mesmo assim, a adoção em massa de carros autônomos ainda está longe, mas os funcionários da X trabalham alegremente em tecnologias que podem estar a décadas de distância – sabendo que a receita de publicidade mantém o Google. Thrun se lembra de pedir ao ex-CEO do Google e presidente executivo da Alphabet, Eric Schmidt, US$ 30 milhões para financiar um projeto. Schmidt deu a ele US $ 150 milhões. “Eric me disse: ‘Se eu lhe der US $ 30 milhões, você voltará no próximo mês e pedirá outros US$ 30 milhões'”.

Quando os projetos atingem uma certa escala, eles “se graduam” para se tornarem empresas independentes. A maioria, como Waymo, se junta a outras apostas da Alphabet. Alguns foram adquiridos pelo Google ou gerados de forma independente, como as startups de energia renovável Dandelion e Malta. Após a “formatura”, os líderes do projeto se tornam executivos e os funcionários recebem uma participação na empresa. “Quando os projetos saem daqui, não terminam”, diz Teller. “Ainda há muito aprendizado a ser feito.”

Via: Wired