EnglishPortugueseSpanish

Uma equipe de cientistas do MIT (Massachusetts Institute of Technology) desenvolveu um novo plano para prevenir cataclismas causados por impactos de asteroides. Isso envolve desviá-los, quase como em um jogo de bilhar cósmico.

Os cientistas sugerem que podem empurrar um asteroide capaz de destruir o planeta muito antes dele chegar, em vez de torcer para que alguma tentativa de última hora – como as explosões de meteoros que vemos em filmes – resolva o problema.

publicidade

Segundo os especialistas do MIT, se um asteroide é detectado em rota de colisão com a Terra, as agências espaciais podem mudar sua trajetória antes que ele complete a chamada “passagem pelo buraco de fechadura”. Isso acontece quando o objeto passa muito perto do planeta e sofre influência de sua força gravitacional, tornando mais prováveis os impactos futuros.

“As pessoas consideram principalmente estratégias de reflexão de última hora, quando o asteroide já passou por um buraco de fechadura e está caminhando em direção a uma colisão com a Terra”, afirmou o pesquisador Sung Wook Paek, em comunicado à imprensa. “Estou interessado em impedir a passagem do buraco de fechadura bem antes do impacto na Terra. É como um ataque preventivo, com menos bagunça”, concluiu.

Reprodução

Os cientistas propõem o envio de missões de observação para analisar a composição de um asteroide, dependendo de quantos anos faltam para o objeto chegar perto da Terra. Com essa informação em mente, os pesquisadores seriam capazes de lançar um foguete em direção ao asteroide em uma tentativa de desviá-lo.

O principal candidato do momento é o 99942 Apophis, um asteroide maior do que a Torre Eiffel e nomeado em homenagem ao deus egípcio do caos. Sua passagem pela Terra é prevista para o dia 13 de abril de 2029. No entanto, o Apophis não deve sofrer o impacto do campo gravitacional terrestre. 

De qualquer maneira, muitos cientistas acreditam que nunca é cedo demais para considerar estratégias para desviar a trajetória de asteroides em rota de colisão com nosso planeta. 

Via: Futurism