Há quase dois anos, precisamente em 23 de março de 2018, um acidente grave na Highway 101, rodovia dos EUA, vitimou um motorista de um Tesla Model X. Desde então, o motivo da colisão ainda não havia sido esclarecido. Não até esta terça-feira (25).

Durante uma audiência sobre a causa do acidente, o Conselho Nacional de Segurança em Transportes (NTSB) afirmou que o motorista estava jogando em seu celular no momento da batida. A vítima, Walter Huang, funcionário da Apple, dirigia de sua casa, em Foster City, até o local de trabalho, em Sunnyvale. O homem foi descrito como um desenvolvedor de jogos que costumava jogar muito no celular. 

publicidade

Embora não seja possível afirmar que Huang estava segurando o telefone quando ocorreu a colisão, “os dados de registro do carro mostram que não havia toque no volante no exato momento do impacto”, declarou o chairman do Conselho, Robert Sumwalt.

Reprodução

Segurança duvidosa

O acidente levanta algumas questões importantes envolvendo o sistema Autopilot da Tesla. O piloto automático fornece alguns recursos autônomos parciais, como o reconhecimento de faixas e a capacidade de manter uma distância segura de outros veículos. No entanto, isso não faz com que o carro dirija sozinho pelas ruas, é necessário que o motorista fique atento para assumir o controle, caso algo dê errado.

O NTSB disse que, além de Huang provavelmente se distrair com o jogo no telefone, o acidente foi causado por um erro no sistema do veículo. O Conselho aponta que pode ter ocorrido uma falha na detecção da barreira em que o veículo bateu. Com isso, o modelo não enviou um sinal de alerta e, consequentemente, os freios automáticos não foram ativados. 

Após o acidente, a família de Huang entrou com duas ações. A primeira delas contra a Tesla, pela morte, e a segunda contra o Departamento de Transportes da Califórnia, por conta de supostas falhas na sinalização da rodovia, que pode ter impedido o sistema do veículo de detectar o muro em que o carro bateu.

Via: Mercury News