Com a ameaça do coronavírus cada vez mais presente, é comum que diversos estudos sejam feitos. O objetivo é entender, entre outros aspectos, como a doença se espalha.

Um levantamento recente na China avaliou padrões sanguíneos de mais de dois mil infectados com o vírus em Wuhan e Shenzhen. Depois, os comparou com os de pessoas saudáveis. A conclusão foi que os pacientes com tipo sanguíneo A tendem a apresentar taxa maior de infecção e desenvolver sintomas mais graves.

publicidade

A equipe do Olhar Digital conversou com Adilson Joaquim Westheimer Cavalcante, infectologista e coordenador do Departamento Científico de Infectologia da Associação Paulista de Medicina. Segundo ele, ainda é muito cedo para afirmar que o tipo sanguíneo é um fator de risco para maior gravidade da doença. Cavalcante destaca que, independentemente do tipo sanguíneo, qualquer pessoa pode se infectar.