A Amazon anunciou a redução da qualidade dos vídeos do Amazon Prime para aliviar a pressão sobre redes de telecomunicações em tempos de pandemia do novo coronavírus. Os equipamentos de provedoras de internet sofrem com sobrecargas diante das medidas de isolamento social adotadas pelos países.

Itália, França e Espanha são exemplos de nações que determinaram medidas restritivas de circulação para evitar que os habitantes saiam de suas residências e exponham a si ou a outros à doença. Segundo o The Verge, a Amazon já reduz a velocidade de dados no serviço de streaming no velho continente, enquanto monitora a situação nos Estados Unidos e em outros países e regiões do planeta.

publicidade

Um representante da companhia disse ao jornal britânico The Guardian que a plataforma está trabalhando com autoridades locais e provedores de internet para mitigar problemas de conexões e ainda preservar uma boa experiência de streaming para os clientes. O Amazon Prime possui uma carteira com mais de 150 milhões de assinantes.

“Entendemos a necessidade de um cuidado minucioso dos serviços de telecomunicações para poder administrar a demanda elevada de internet agora que muitas pessoas estão reclusas em suas casas devido ao Covid-19”, disse.

Reprodução

A Nielsen Media Research estima que o isolamento social em meio à pandemia pode levar a um acréscimo de 60% no consumo de conteúdo em plataformas de vídeos e streaming. O movimento daAmazon, inclusive, acompanha os concorrentes Youtube e Netflix, que também anunciaram medidas de redução do tráfego de dados em suas respectivas plataformas.

O cenário de quarentena ainda atinge outros tipos de serviços. Nesta quinta-feira (19), o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou que o Whatsapp vai dobrar a capacidade de seus servidores para atender o pico de mensagens de voz deflagrado em meio à pandemia. O empresário disse que na Itália, país com mais mortes causadas por Covid-19 em todo o mundo, o volume de mensagens é equivalente à virada do ano.

Até esta sexta-feira (20), o número de infectados pelo novo coronavírus ultrapassa 263 mil em 163 países e regiões, segundo monitoramento da Universidade de Medicina John Hopkins, nos Estados Unidos. Os casos em países europeus continuam subindo rapidamente: a Itália passou da marca de 47 mil, enquanto Espanha e Alemanha têm aproximadamente 20 mil pacientes infectados.

Fonte: The Verge