EnglishPortugueseSpanish

O Centers for Disease Control and Prevention, principal instituto de saúde pública dos Estados Unidos, divulgou um estudo preocupante sobre o novo coronavírus nesta semana. Segundo a pesquisa, o grau de contágio do vírus é maior do que o imaginado anteriormente. Acreditava-se que uma pessoa infectada poderia contaminar até três pessoas, o que dobraria os casos em seis dias. Agora, os dados mostraram que um doente pode infectar até seis pessoas, dobrando os casos em apenas três dias.

“Coletamos extensos relatos de casos individuais em toda a China e estimamos os parâmetros da epidemia desde a incubação”, explicaram os pesquisadores. “Em seguida, projetamos duas abordagens matemáticas para encontrar a dinâmica do surto em Wuhan”, acrescentaram. Para chegar a resultados mais próximos da realidade, foram coletados dados de toda a China, cruzando com informações de viagens domésticas e de infecções precoces registradas fora da província de Hubei.

publicidade

O primeiro dos modelos utilizou dados de viagens para calcular a probabilidade de um infectado ir de Wuhan para outra província. O segundo contabilizou os casos de pessoas infectadas na cidade em que teve início a doença, mas diagnosticados em outros locais.

Com os números, os cientistas conseguiram estimar diversas informações sobre o novo coronavírus:

  • O tempo de incubação do vírus foi de aproximadamente quatro dias, sendo que entre a manifestação dos sintomas e a hospitalização foi de 5,5 dias.
  • O  tempo de internação e a alta foi de 11,5 dias.
  • O tempo entre a internação e o óbito foi de 11,2 dias.
  • O tempo entre o início dos sintomas e a morte foi de 16,1 dias.

“O contágio pode ser menor se o intervalo de exposição cair. No entanto, estudos relataram que as pessoas podem transmitir o vírus por um longo período, de uma a três semanas após o início dos sintomas”, afirmou o estudo. Por fim os pesquisadores destacaram a importância do isolamento social para conter o vírus. Enquanto o número de infectados em Wuhan foi de 4.100 para 18.700 entre 18 e 23 de janeiro, esse número seria de 233 mil pessoas até o final do mês. “Nossos resultados sugerem que é necessária uma combinação de medidas de controle, incluindo vigilância precoce e ativa, quarentena e esforços especiais de distanciamento social para desacelerar ou impedir a propaganda do vírus”, concluíram os cientistas.

Via: Uol