A partir desta quarta-feira (15), um drone controlado pela Prefeitura do Rio de Janeiro vai sobrevoar locais públicos para alertar a população sobre a importância de evitar aglomerações em meio à pandemia do novo coronavírus.

Equipado com um alto-falante, o drone vai emitir mensagens com recomendações para que os cidadãos evitem sair de suas casas e respeitem a quarentena.

publicidade

“Atenção! A Prefeitura do Rio pede que todos evitem aglomerações! Elas facilitam o contágio do novo coronavírus! Por favor, respeitem o distanciamento social! Protejam a sua saúde e a das outras pessoas”, diz o drone, de acordo com reportagem do Grupo Globo.

O drone ainda vai auxiliar no atendimento a chamados do Disk Aglomeração – um canal exclusivo da Prefeitura do Rio voltado às denúncias de violação de medidas de distanciamento social.

Além disso, em parceria com a operadora TIM, a administração municipal passou a adotar nesta quarta-feira o rastreamento de sinais de celulares para detectar aglomerações. O recurso utiliza inteligência artificial para mensurar o volume de pessoas em diferentes pontos da cidade.

Assim, quando um possível foco de contágio for identificado, o drone será enviado para alertar a população desses locais sobre o risco de disseminação do novo coronavírus.

A prefeitura não informou quantos drones serão utilizados na operação.

 

Covid-19 no estado do Rio de Janeiro

De acordo com o Painel Rio Covid-19, a cidade do Rio de Janeiro contabiliza 2393 casos confirmados e 140 mortes provocadas pela doença. Já o estado do Rio de Janeiro registra 3410 pacientes infectados e o total de 224 vítimas fatais, segundo balanço do Ministério da Saúde.

Nesta terça-feira (14), o governador Wilson Witzel, anunciou que foi diagnosticado com a Covid-19. Em publicação no Twitter, ele disse que começou a apresentar alguns sintomas na sexta-feira (10), dentre eles: febre, dor de garganta e perda de olfato.

Além de Witzel, o governador do Pará, Helder Barbalho, também recebeu o diagnóstico positivo de infecção pelo novo coronavírus.

Fonte: G1