EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O novo coronavírus pode afetar células de vasos sanguíneos por todo o corpo do paciente, aponta estudo da University Hospital Zurich, na Suíça, publicado nesta sexta-feira (17), na revista acadêmica The Lancet.

A pesquisa é baseada na autópsia de três vítimas da Covid-19. Os exames identificaram que células endoteliais de diferentes órgãos dos pacientes apresentavam estruturas do vírus. Essas células são responsáveis pelo revestimento interno dos vasos sanguíneos, especialmente os capilares.

publicidade

“Eles [os vírus] entram no endotélio, que é a linha de defesa dos vasos sanguíneos. Isso compromete o sistema de defesa e causa problemas na microcirculação”, disse Frank Ruschitzka, um dos autores do estudo, ao South China Morning Post.

Segundo ele, a infecção reduz o fluxo sanguíneo em diferentes partes do corpo, o que explicaria o motivo de alguns pacientes apresentarem problemas em vários órgãos além do pulmão.

publicidade

“Pelo que observamos em casos clínicos, os pacientes têm problemas em todos os órgãos – no coração, nos rins, no intestino, em toda parte”, afirmou.

Reprodução

Para o cientista, o fato do vírus atacar células endoteliais ainda esclarece como pacientes que sofrem de comorbidades diretamente ligadas aos vasos sanguíneos – como hipertensão, diabetes e obesidade – são mais propensos a desenvolver quadros graves de Covid-19.

Um dos casos relatados no estudo é o de um paciente de 71 anos com doença de arterial coronariana e hipertensão que foi a óbito devido a falência múltipla de órgãos. A análise da autópsia do rim transplantado da vítima mostrou estruturas virais nas células endoteliais. Os pesquisadores também encontraram células inflamatórias no coração, intestino delgado e pulmões.

Outro paciente de 58 anos, com diabetes, hipertensão arterial e obesidade, desenvolveu isquemia mesentérica, que consiste na diminuição do fluxo sanguíneo no intestino delgado. A inflamação do endotélio também foi encontrada nos pulmões, coração, rins e fígado.

Tratamento

Para Ruschitzka, os resultados da pesquisa ainda indicam caminhos para o tratamento da Covid-19. Ele defende terapias para melhorar as condições cardiovasculares de pacientes, com o intuito de reduzir a inflamação endotelial e combater a replicação do vírus. O cientista destaca que já existem medicamentos que podem ser usados para essas funções.

“Pacientes com condições de risco e idosos devem ser tratados muito bem quanto às condições cardiovasculares subjacentes. Quanto melhores forem tratados, maior a probabilidade de sobreviverem à infecção de Covid-19”, afirmou Ruschitzka.

Mais estudos são necessários

Já o professor de patologia da Universidade de Hong Kong, John Nicholls afirma que são necessários mais estudos para comprovar a tendência do novo coronavírus atacar células endoteliais.

“Embora muitas estruturas pareçam se assemelhar a partículas virais usando o microscópio eletrônico, outras técnicas de laboratório devem ser feitas para confirmar a verdadeira infecção viral”, disse Nicholls.

Fonte: South China Morning Post