Uma das principais incógnitas sobre o novo coronavírus é como nosso organismo pode se tornar imune a ele. Quando você é infectado por um vírus, assim como uma bactéria, seu sistema imunológico revida produzindo proteínas chamadas de anticorpos. 

Eles perduram por muito tempo e seu corpo está preparado para produzir mais, se você entrar em contato com o vírus novamente.

publicidade

Uma vacina funciona da seguinte maneira: ao introduzir uma versão morta ou enfraquecida de um vírus em seus sistema imunológico, você o “engana” para produzir anticorpos em resposta. Logo, se você entrar em contato com o vírus real, seu corpo estará preparado.

Reprodução

Os vírus não se comportam da mesma forma em termos da resposta imune que provocam. Por exemplo, se você teve catapora quando criança, provavelmente ficará imune à reinfecção pelo resto da vida. No caso da gripe H1N1, a imunidade pode durar até 10 anos.

Com o coronavírus que causa um resfriado comum (diferente da Covid-19), a imunidade desaparece após alguns meses, e é por isso que você pode detectar novas infecções ano após ano. Mas quando se trata do novo coronavírus, esse período de imunidade é incerto. “Como esta é uma infecção muito nova, não temos certeza de quanto tempo esses anticorpos perduram”, diz Dr. Seema Yasmin, diretora da Stanford Health Communication Initiative.

A melhor aposta pode ser compará-lo com o coronavírus causador da SARS. Nos pacientes infectados com esse vírus, os níveis de anticorpos atingiram o pico entre dois e quatro meses após a infecção e ofereceram proteção por dois a três anos. “Acho que o vislumbre de esperança pode estar na possibilidade de uma semelhança genética entre o coronavírus causador da SARS e o novo coronavírus”, acrescenta Yasmin.

Reprodução

Do ponto de vista da genética, outro vírus a ser considerado como comparação é o HIV. Esse vírus é bem difícil de tratar, porque sofre mutações quando se multiplica. O corpo humano pode desenvolver anticorpos, mas serão menos eficazes à medida que o vírus se modificar.

Descobrir mais sobre como a imunidade ao novo vírus funciona será fundamental para combater a pandemia. Quanto mais pessoas se tornam imunes, mais nos aproximamos do ponto em que a maioria dos membros da população possui anticorpos. Então começaremos a desacelerar e, eventualmente, parar a pandemia.

 

Via: Wired