EnglishPortugueseSpanish

Desde que o isolamento social foi instaurado em diversos lugares do mundo, os níveis de poluição abaixaram e a qualidade do ar melhorou. Mas será que é possível manter essa melhora mesmo após o fim da quarentena? Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA), descreveram um caminho para reduzir drasticamente o nível de poluição até 2050.

Segundo os dados do estudo, seguindo as orientações, é possível evitar cerca de 14 mil mortes prematuras por doenças ligadas à poluição por ano; isso, somente na Califórnia. Pessoas expostas a grandes níveis de poluição são mais suscetíveis a doenças respiratórias e cardiovasculares, problemas neurológicos e são também mais vulneráveis à Covid-19, entre outras enfermidades. “Os benefícios para a saúde pública são imediatos e de longo prazo”, destacou um dos autores do estudo, Yifang Zhu.

publicidade

Uma das metas das Nações Unidas para conter o aumento da temperatura global é aproximar as emissões causadas pelo homem a quase zero. Apesar de ser uma missão difícil em nível global, o estudo sugere que é possível que seja feito na Califórnia usando políticas e tecnologias exigentes. “Nada do que estamos sugerindo é ficção científica, mas será necessário muito mais do que estamos fazendo agora”, destacou Tony Wang, coautor do estudo.

Além de um grande benefício para a saúde da população, atingir um nível zero de emissões beneficiaria também a economia. Segundo a pesquisa, a redução do efeito estufa pode gerar R$ 606 bilhões por ano. Os autores do estudo afirmam que a pesquisa pode ajudar a formulação de políticas estaduais e municipais a criar medidas que contenham a mudança climática, beneficiando diretamente as pessoas.

Via: Phys