EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Encontrar objetos espaciais na extremidade do Sistema Solar é muito difícil, principalmente na escuridão do Cinturão de Kuiper. Por conta desta rara possibilidade, a descoberta de uma pequena Lua na região empolgou astrônomos.

A técnica utilizada foi a de ocultação, quando espera que determinado objeto espacial passe em frente a uma estrela brilhante para que possa se tornar visível. Neste caso, o alvo da observação era o planeta anão 2002 TC 302 que, em cálculos anteriores, possuía 584 quilômetros de diâmetro. Porém, em uma ocultação em janeiro de 2018 e aceita recentemente pela revista Astronomy & Astrophysics, foi calculado um diâmetro de “apenas” 500 quilômetros.

publicidade

Reprodução

Sistema Solar/Foto: Reprodução

Os pesquisadores concluíram que se o planeta for orbitado por uma Lua com aproximadamente 200 quilômetros de diâmetro a uma distância de 2 mil quilômetros, isso poderia gerar um sinal que induziu ao erro de cálculo anterior. A essa curta distância, nem mesmo imagens do Telescópio Espacial Hubble poderia registrar a presença do satélite natural.

A existência de um planeta anão com uma lua própria pode ajudar aos pesquisadores a entenderem como as coisas funcionavam no início do Sistema Solar e a aprender mais sobre a formação dos objetos espaciais. Como o Cinturão de Kuiper pouco mudou desde então, a região é considerada uma cápsula do tempo.

publicidade

Via: Science Alert