Segundo a cientista-chefe da Organização Mundial de Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, a entidade espera que “centenas de milhões” de doses de uma vacina contra a Covid-19 sejam produzidas ainda neste ano, e dois bilhões de doses até o final de 2021.

“Estou esperançosa, estou otimista. Mas o desenvolvimento de vacinas é uma empreitada complexa, ele envolve muita incerteza”, disse. “O bom é que temos muitas vacinas e plataformas, então, se a primeira fracassar ou se a segunda fracassar, não deveríamos perder a esperança, não deveríamos desistir.”

publicidade

Swaminathan não menciona uma vacina específica, mas há pelo menos dez iniciando testes em humanos, com uma delas, desenvolvida pela Moderna, uma empresa farmacêutica dos EUA, chegando à “fase 3”, a última antes de uma aprovação para produção e venda.

A OMS está elaborando planos para ajudar a decidir quem deveria receber as primeiras doses da vacina, depois que ela for aprovada. A prioridade seria dada a profissionais da linha de frente, como médicos e enfermeiros, pessoas vulneráveis por causa da idade ou outra doença, e quem trabalha ou mora em locais de alta transmissão, como prisões e casas de repouso.

Recentemente os EUA anunciaram a pré-compra de 300 milhões de doses de uma vacina chamada AZD1222, desenvolvida pela companhia farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido. No Brasil, uma vacina chamada CoronaVac, produzida pela empresa chinesa SinoVac, será testada em até 9 mil pessoas.

Fonte: Agência Brasil