Muitos epidemiologistas acreditam que a taxa inicial de infecção pelo novo coronavírus foi subestimada devido a problemas de teste, indivíduos assintomáticos e falha na identificação de casos precoces.

Agora, um novo estudo da Universidade Estadual da Pensilvânia estima que o número de casos iniciais de Covid-19 nos EUA pode ter sido mais de 80 vezes maior e dobrou quase duas vezes mais rápido do que se pensava originalmente.

publicidade

No estudo, publicado na revista Science Translational Medicine, os pesquisadores estimaram a taxa de detecção de casos sintomáticos de Covid-19 usando dados de vigilância de doenças semelhantes à gripe – influenza-like illness (ILI) – dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, durante três semanas de março.

“Analisamos os casos de gripe em cada estado para estimar o número que não podia ser atribuído à ela e excedia os níveis de estação sazonal”, disse Justin Silverman, professor do departamento de medicina da universidade. “Quando você subtrai isso, fica com o que chamamos de excesso de ILI – casos que não podem ser explicados pela gripe ou pela variação sazonal típica de patógenos respiratórios”.

Reprodução

Pesquisadores estimaram a taxa de detecção de casos sintomáticos de Covid-19 usando dados de doenças semelhantes à gripe. Foto: selimaksan

Os pesquisadores descobriram que o excesso de ILI mostrou uma correlação quase perfeita com a disseminação da Covid-19 em todo o país. “Isso sugere que os dados de ILI estão capturando casos de Covid e parece haver uma população não diagnosticada muito maior do que se pensava”, acrescentou.

Notavelmente, o tamanho do aumento observado de excesso de ILI corresponde a mais de 8,7 milhões de novos casos durante as últimas três semanas de março, em comparação com os cerca de 100 mil casos que foram oficialmente relatados no mesmo período.

Taxa de infecção por estado

Os pesquisadores também conseguiram estimar as taxas de infecção para cada estado americano, observando que aqueles que apresentaram taxas mais altas de infecção também tiveram taxas maiores de aumento no excesso de ILI. 

Em Nova York, por exemplo, o modelo dos pesquisadores sugeriu que pelo menos 9% de toda a população estava infectada até o fim de março. Depois que o estado conduziu o teste de anticorpos em 3 mil residentes, eles encontraram uma taxa de infecção de 13,9%, ou 2,7 milhões de nova-iorquinos.

“Nossos resultados sugerem que os efeitos impressionantes da Covid-19 podem ter menos a ver com a letalidade do vírus e mais com a rapidez com que ele foi capaz de se espalhar pelas comunidades inicialmente”, explicou Silverman. 

“Uma menor taxa de mortalidade associada a uma maior prevalência de doenças e rápido crescimento de epidemias regionais fornece uma explicação alternativa do grande número de mortes e superlotação de hospitais que vimos em certas áreas do mundo”, concluiu o professor.

Via: Medical Xpress