Um dispositivo capaz de ajudar pessoas com baixa visão a verem e lerem. Isso é o que promete a IrisVision. O sistema é composto de um smartphone, um equipamento de realidade virtual e algoritmos.

A IrisVision não é a única a usar tecnologia para problemas de visão, mas quer ir além com seu produto. O acessório, além de melhorar a visão, vai ajudar a diagnosticar doenças, testar e até tratar pacientes remotamente. Ele deve estar pronto em dois anos.

publicidade

Para Jerome Wujek, do Instituto Nacional dos Olhos dos Estados Unidos, aparelhos que usam inteligência artificial para testar, diagnosticar e tratar remotamente são o futuro. Isso porque eles vão permitir que moradores de áreas rurais e com pouco acesso ao sistema de saúde sejam atendidos.

A pandemia do novo coronavírus trouxe mais um desafio para esses pacientes com baixa visão. Afinal, eles dependem de toque e som para identificar objetos e pessoas. Com a necessidade de distanciamento social e a adoção do uso de máscaras, o dia a dia deles ficou mais complicado.

Imagina-se que o mercado para essa tecnologia seja gigantesco. Só nos Estados Unidos, cerca de 6,4 milhões de pessoas têm condições da visão que não podem ser corrigidas por lentes.