EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O KaiOS, sistema operacional voltado para featurephones (aqueles celulares ultrabásicos e baratos), continua ganhando recursos interessantes que o tornam uma alternativa mais viável aos smartphones. Agora, o sistema ganhou suporte ao Google Lens, ferramenta que permite escanear objetos e copiar texto a partir da câmera do celular.

Aparelhos com o KaiOS contam com um botão de microfone, que permitem ativar o Google Assistente para utilização de comandos de voz. Agora, pressionar este botão também exibirá um ícone de câmera, que poderá ser usado para ligar o Google Lens.

publicidade

Ao fazer isso, o Lens pode tirar foto de algum pedaço de texto, reconhecê-lo e imediatamente traduzi-lo. No entanto, ao contrário do que acontece nos smartphones Android e iOS, o Lens não é capaz de sobrepor o texto original com a tradução para que o contexto fosse preservado. No lugar, o conteúdo é exibido em uma nova página, mas a tradução segue a mesma.

O Google lista os seguintes idiomas suportados neste momento pelo Lens no KaiOS, que mira inicialmente os usuários da Índia.

  • Inglês
  • Hindi
  • Bengali
  • Telugo
  • Marata
  • Tâmil

Além dessas seis línguas, o Google também promete suporte em breve para os idiomas canará e guzerate. Todos eles são bastante relevantes no contexto indiano.

publicidade

Ainda que a notícia não atinja diretamente os usuários brasileiros, ela é um sinal positivo para a evolução do KaiOS, que pode tornar o sistema cada vez mais viável como alternativa de baixo custo ao Android. Nem todo mundo precisa de todas as funcionalidades de um smartphone, e ter um celular que cumpre todas as funções mais importantes, com WhatsApp, com tradução de texto, assistente de voz e outros recursos mais inteligentes pode ser mais do que suficiente para pessoas.

Aqui no Brasil, o KaiOS está presente em aparelhos de menos de R$ 300, produzidos por empresas como Positivo e Multilaser, além de outras marcas menos conhecidas do público. No exterior, há marcas como a Nokia apostando no sistema, mas até o momento os aparelhos ainda não chegaram formalmente ao Brasil.