EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O retorno dos astronautas Bob Behnken e Doug Hurley após 64 dias em órbita na Estação Espacial Internacional (ISS) foi ainda mais tranquilo do que pareceu. A bordo da cápsula Crew Dragon enquanto esperavam pelo resgate, a dupla teve tanto tempo livre que gastou parte dele passando trotes através do telefone via satélite da espaçonave.

“Cinco horas atrás estávamos em uma nave espacial, passando trotes por telefone via satélite para quem pudéssemos encontrar”, disse Hurley na coletiva de imprensa após seu resgate. “O que foi bem divertido, a propósito”, completou, sugerindo que a conta do telefone fosse destinada ao fundador da SpaceX, Elon Musk, que estava sentado nas proximidades.

publicidade

O pouso da cápsula Crew Dragon aconteceu no Atlântico Norte, próximo ao litoral de Pensacola, na Flórida, às 15h50 (horário de Brasília) do último domingo (2). O retorno dos astronautas marcou o fim da missão SpaceX Demo-2, que fez história por ter sido o primeiro lançamento tripulado a partir de solo americano desde 2011.

A missão marca também a inclusão oficial da cápsula Crew Dragon como veículo certificado para as próximas missões tripuladas da Nasa, eliminando, assim, a dependência dos EUA dos veículos espaciais, especialmente dos feitos pelos russos. “Tem sido uma odisseia desde que Bob e eu começamos a trabalhar neste programa, há cinco anos”, afirmou Hurley. “O fato de estarmos onde estamos agora, depois do primeiro voo tripulado da Dragon, é inacreditável”.

Seu colega Behnken comemorou que agora os Estados Unidos podem conduzir missões do início ao fim sem depender de outros países. “Há algo especial sobre ter a capacidade de lançar e trazer de volta os seus próprios astronautas, e nós passamos muitos anos sem poder fazer isso”, disse. “Nós dois estamos super orgulhosos por ser uma pequena parte do time que devolveu essa capacidade à América”.

publicidade

Musk também fez um discurso de agradecimento pelo sucesso da missão. “Não sou muito religioso, mas rezei por isso”, afirmou ele. “Acredito que o mundo inteiro pode se orgulhar nesse momento se olhar para isso como uma conquista da humanidade”, completou.

Segundo a Nasa, a Crew Dragon agora retornará à sede da SpaceX na Flórida, onde terá seu desempenho examinado. A equipe da companhia vai analisar os dados da espaçonave e verificar os detalhes de seu funcionamento durante toda a missão. Além dos astronautas, a Crew Dragon trouxe 150 kg de carga, incluindo amostras de experimentos biológicos realizados a bordo da ISS.

Retornaram também três souvenirs, dois deles adoráveis: “Earthie”, um planeta Terra de pelúcia que voou a bordo do primeiro teste não tripulado de uma Crew Dragon, em 2019, e o dinossauro de pelúcia “Tremor”, escolhido pelos filhos dos astronautas como “indicador de gravidade zero” durante a decolagem da Demo-2.

O terceiro item é uma bandeira dos EUA que voou ao espaço na primeira missão de um ônibus espacial, a STS-1 em 1981, e foi deixada a bordo da ISS pela última tripulação de um ônibus espacial, na missão STS-135, em julho de 2011. O objetivo era que ela servisse como “prêmio” para a primeira empresa norte-americana a levar astronautas para a ISS a bordo de uma espaçonave norte-americana lançada a partir de solo norte-americano. Curiosamente, Doug Hurley foi o piloto da STS-135.

Via: New York Times/CNet