EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Cientistas espanhóis fizeram uma grande descoberta celeste. Eles encontraram 15 ‘estrelas quimicamente peculiares’ ricas em fósforo. Este elemento é um dos que tornam a vida possível na Terra. O estudo foi divulgado na publicação científica Nature Communications.

“O fósforo é particularmente interessante porque existem apenas cinco elementos dos quais sabemos que a vida na Terra depende: carbono, nitrogênio, oxigênio, fósforo e enxofre” disse o autor da descoberta, Thomas Masseron, astrônomo do Instituto de Astrofísica em Tenerife, Espanha. 

publicidade

 

nasa-vltMzn0jqsA-unsplash.jpg

Com a descoberta da grande quantidade de fósforo em estrelas, pesquisas sobre a origem da vida tomam novo rumo. Créditos: Nasa/Reprodução.

 

publicidade

Fósforo nas estrelas

A teoria mais provável para o fenômeno é que tais estrelas nasceram de cinzas de uma geração anterior, que por alguma razão produziram fósforo em excesso ao longo da sua vida. Também é possível que as estrelas ricas em potássio tenham roubado fósforo de uma estrela próxima ou tenham se fundido com outra estrela.

“O objetivo da pesquisa é explorar todas as possibilidades do surgimento de fósforo nas estrelas e ir descartando conforme as teorias não se comprovem por meio dos testes em laboratório”, acrecentou o astrônomo.

A equipe está planejando estudar as estrelas em diferentes comprimentos de onda de luz para aprender mais sobre sua composição química. Os cientistas também esperam encontrar mais exemplos de corpos celestes atípicos.

Reprodução

Novos estudos analisarão composição química das estrelas.Foto: Pensar Cultura

“Além das observações adicionais que faremos, haverá outro aspecto importante em relação à colaboração com especialistas em evolucão e interiores das estrelas, que agora precisam desenvolver novos modelos e possivelmente implementar uma física para tentar reproduzir o que observamos, e assim, tentar encontrar a origem das estrelas”, afirmou.

Segundo os integrantes do estudo, a descoberta é extremamente relevante para o avanço das pesquisas sobre a origem da vida. 

Fonte: Vice e Nature