A Apple pode começar a usar chips de 3 nanômetros a partir de 2022. Com isso, a empresa pode reduzir em 50% o consumo de bateria dos seus dispositivos e até mesmo oferecer um avanço em desempenho de 33%.

Os atuais chips da Apple para iPhone e iPad são baseados em arquitetura ARM, que permite menor consumo, custo e dissipação de calor,. Esses processadores estarão em breve nos Macs. Para o futuro, A Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), fabricante dos chips de 5 nanômetros que estarão no próximo iPhone 12, revelou um pouco do que podemos esperar no seu Simpósio de Tecnologia Anual seu roteiro de fabricação. Na ocasião, a empresa disse que a expectativa para 2022 é de produzir chips de 3 nanômetros.

publicidade

A TSMC entregará ainda este ano seu último chip A14 Bionic de 5 nanômetros, que equipará o iPhone 12. De acordo com o site Anandtech, ele pode oferecer um aumento de 15% em desempenho e uma redução no consumo energético de 30%.

Reprodução

Chip A13. Divulgação/Apple

Conforme os dispositivos Apple mudam de chips A14 de 5 nanômetros para os A16 de 3 nanômetros em 2022, baseado na comparação entre o A13 Bionic de 7 nanômetros para o A14, podemos esperar ganhos em desempenho e consumo energético consideráveis: a performance pode aumentar 33% enquanto o consumo de bateria é reduzido em 50%.

Historicamente a Apple sempre priorizou ganho em desempenho em vez de redução no consumo energético. De acordo com um artigo do site MacRumors, as melhorias no consumo de energia do chip podem ser inúteis se a gigante americana continuar com a mesma estratégia. A Apple também oferece ligeiras alterações nos seus processadores da mesma geração para se adequar a dispositivos específicos.

Por exemplo, o iPhone que possui uma bateria menor é otimizado para consumir menos energia, enquanto o iPad que a empresa posicionou para competir com laptops é adaptado para ganho em processamento. Teoricamente, os MacBooks com maiores baterias e uso otimizado podem fazer a Apple competir com a AMD e Intel no mercado de notebooks e desktops.

Fonte: Digital Trends