EnglishPortugueseSpanish

A Porsche adiou o lançamento do Taycan Cross Turismo para o início de 2021. A variante mais espaçosa do carro elétrico da montadora alemã estava programada para chegar ao mercado ainda este ano, mas foi empurrada para o ano que vem devido à grande demanda pelo modelo inicial.

O CEO da empresa, Oliver Blume, garantiu que nenhum projeto de carro foi cancelado como resultado das oscilações do mercado desencadeadas pela Covid-19. “A mudança não é uma desvantagem para nós – acabamos de otimizar o plano do ciclo”, disse o executivo.

publicidade

O Taycan Cross Turismo é um concorrente do Model X, da Tesla. Recentemente, a empresa britânica Carwow promoveu um confronto entre o Tesla Model S Performance e o Porsche Taycan Turbo S. Mesmo equipado com o modo de alto desempenho (Ludicrous Mode) e o mais recente sistema de partida “Cheetah Stance”, o carro da companhia de Elon Musk não foi páreo para o modelo da montadora alemã.

Parte do grupo Volkswagen AG, a Porsche foi a marca mais lucrativa entre seus pares que lutaram para lidar com a queda sem precedentes provocada pela pandemia. De acordo com Blume, a Porsche “olha para o futuro com confiança” com a recuperação da demanda na China, que ajudou ainda a Tesla e a Toyota a se manterem lucrativas no primeiro semestre. 

Porshe/Divulgação

Modelo 2021 do Taycan Turbo S. Imagem: Porsche/Divulgação 

publicidade

A versão híbrida do Panamera foi um dos principais impulsionadores da mudança da companhia em direção aos veículos elétricos – mais de 60% dos clientes europeus optaram pela variante parcialmente movida a bateria.  As vendas robustas do Taycan e dos novos modelos 911 Turbo e Targa ajudaram a montadora a atravessar os atuais tempos turbulentos. “A empresa mudou muito durante o coronavírus. Era importante focar no essencial”, disse Blume.

A Porsche espera que 40% dos seus carros sejam totalmente elétricos em 2025. Os híbridos provavelmente serão responsáveis ​​por cerca de 10% das vendas e os carros movidos a bateria por 40%. “O futuro pertence à mobilidade elétrica”, avalia o executivo.

Via: Engadget/Bloomberg