EnglishPortugueseSpanish

Na última quinta-feira (24), um avião de passageiros movido a hidrogênio completou seu voo inaugural com sucesso – modelo fez uma manobra na pista, decolou, completou um circuito e aterrissou. A aeronave Piper classe M da ZeroAvia foi adaptada com um dispositivo que combina hidrogênio e oxigênio para produzir eletricidade. 

Segundo a ZeroAvia, o “voo de uma aeronave comercial movida a célula de combustível de hidrogênio é uma inovação mundial”. No entanto, esse não é o primeiro avião movido a hidrogênio a voar. Em 2016, um HY4, com capacidade para quatro pessoas, fez sua primeira viagem em Stuttgart, na Alemanha.

publicidade

Reprodução

Aviões movidos a hidrogênio e eletricidade podem revolucionar a aviação de pequenos trajetos. Foto: Aerotec

Já o voo da última semana foi realizado em um local de pesquisa e desenvolvimento da ZeroAvia, no aeroporto de Cranfield, na Inglaterra. “Embora algumas aeronaves experimentais tenham voado usando células de combustível de energia, o tamanho desta aeronave mostra que passageiros pagantes podem embarcar em um voo de emissão verdadeiramente zero muito em breve”, destacou Val Miftakhov, CEO da empresa.

Projeto HyFlyer

A ZeroVia lidera um programa chamado HyFlyer, com parceiros dos projetos Intelligent Energy e European Marine Energy Center (EMEC). Para o EMEC, o programa tem como objetivo “descarbonizar aeronaves de pequeno porte de médio alcance”. Isso mostraria que a tecnologia pode substituir os motores convencionais em aeronaves a hélice.

publicidade

O próximo passo do HyFlyer será realizar um trajeto entre 460 e 555 quilômetros de distância. O avião vai decolar das Ilhas Orkney, um arquipélago na costa norte da Escócia. A intenção é que o teste, que contará com células de combustíveis movidas unicamente por hidrogênio, aconteça ainda em 2020.

Aviões da Airbus movidos a hidrogênio

Esta não foi a única novidade do setor na semana. Na última segunda-feira (21), a Airbus apresentou três conceitos de aeronaves de passageiros movidas a hidrogênio. Elas são parte da iniciativa ZEROe, que visa construir a primeira aeronave comercial com impacto zero sobre nosso clima.

Segundo a empresa, os conceitos representam diferentes abordagens rumo a este objetivo, explorando vários caminhos tecnológicos e configurações aerodinâmicas para ajudara empresa a “liderar o caminho para a descarbonização da indústria da aviação”.

Via: CNBC