EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Marte, apesar de ser o segundo menor planeta do Sistema Solar (com 3.389,5 km de raio), é lar do maior vulcão da região – o Monte Olimpo, cujo pico está a 21,4 km da superfície. Esse gigante é um registro da antiga (e intensa) atividade vulcânica do Planeta Vermelho, que também formou algumas outras estruturas impressionantes.

Imagens da câmera HiRISE (High-Resolution Imaging Science Experiment) do Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da Nasa registrou o teto desmoronado de um tubo de lava marciano que é muito maior do que qualquer coisa parecida na Terra. Pelas imagens, estima-se que o túnel tenha 50 metros de diâmetro, enquanto no nosso planeta, estruturas parecidas tenham até 15 metros de largura.

publicidade

Tubos de lava se formam quando a lava flui sob a superfície e o lado externo da rocha derretida esfria e se solidifica – enquanto o interior ainda quente continua fluindo. Eventualmente, a lava escoa para fora do tubo em uma direção descendente, abandonando a estrutura, chamada de “piroduto”. 

NASA/GSFC/Arizona State University

Imagens feitas pela LRO da Nasa mostram poços criados por túneis de lava na Lua. Imagens: Nasa/GSFC/Arizona State University

Há ainda na comunidade científica quem defenda que a exploração desses tubos deve ser prioridade, uma vez que eles podem hospedar formas vida simples que sobrevivem até hoje em Marte. Os túneis podem fornecer abrigo para seres microscópicos à medida que o planeta perdia sua atmosfera e esfriava.

publicidade

Nessa mesma lógica, os pirodutos podem ser usados por exploradores humanos na colonização de Marte. Construir habitats ou bases dentro das estruturas pode ser uma maneira viável de estabelecer a presença humana não só no planeta como também na Lua, que possui os mesmos túneis.

“Os tubos de lava podem fornecer escudos estáveis ​​da radiação cósmica e solar e dos impactos de micrometeoritos que frequentemente acontecem nas superfícies dos corpos planetários”, afirma Francesco Sauro, coautor de um estudo comparativo de tubos de lava na Terra, Marte e na Lua. “Além disso, têm grande potencial para proporcionar um ambiente no qual as temperaturas não variam do dia para a noite”, completa.

Via: Universe Today