EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Um homem de 37 anos em estado de coma acordou de sua condição adversa após ter administrado em seu sistema uma dose mais alta do medicamento chamado “Ambien” (ou “Zolpidem”, como é conhecido aqui no Brasil). A situação é bastante incomum e atraiu a atenção da comunidade científica, por um motivo deveras irônico: o remédio em questão é usado para ajudar você a dormir.

O paciente tinha 29 anos quando engasgou com comida, efetivamente cortando o fornecimento de oxigênio para o seu cérebro. Como efeito, ele acabou perdendo a capacidade de andar, falar e eventualmente entrou em coma, durante os oito anos seguintes. Uma equipe médica da Holanda, que tratava do rapaz, administrou uma dose maior de Ambien, o que gerou o efeito estranho: não apenas ele acordou, como caminhou pelo quarto e falou com sua família com completa lucidez.

publicidade

A má notícia: o efeito durou aproximadamente uma hora.

Reprodução

publicidade

Zolpidem (conhecido como Ambien nos EUA) é um medicamento que combate a insônia, mas estranhamente fez homem acordar de coma na Holanda. Foto: Sonis Photography/Shutterstock

Segundo a equipe médica, por mais irônico que seja um remédio para fazer você dormir apresentar o efeito de lhe acordar, a situação não é inédita: diversos canais relatam que altas doses de Ambien podem causar a sensação de alerta. No caso deste homem, os médicos holandeses constataram que o medicamento traz tais efeitos quando o sistema imunológico o elimina por completo.

Em outras palavras, se o remédio seguisse sendo administrado periodicamente, o paciente continuaria dormindo profundamente. Desta forma, os médicos decidiram por aplicar o Ambien apenas em ocasiões especiais, como visitas familiares e outras situações.

Uso irrestrito de Ambien pode mudar comportamento

De acordo com estudos do caso deste paciente, os médicos constataram que a situação de coma dele se deu por uma atividade neurológica que vinha sendo conduzida sem nenhum controle. Com o uso do remédio, porém, o coro do homem pareceu encontrar uma espécie de “equilíbrio” ao promover a atividade de um neurotransmissor conhecido como “GABA”, responsável, segundo pesquisas em jornais clínicos, pela sensação de calma e relaxamento.

O GABA, cientificamente falando, inibe a atividade neurológica e evita que sinais sejam transmitidos no cérebro, normalmente equilibrando níveis de outros neurotransmissores, como o glutamato. Como o cérebro do paciente em coma se encontrava em um período constante de hiperatividade, o GABA acabou balanceando as suas capacidades neurológicas.

Reprodução

Uso do medicamento Ambien pode trazer flutuações de comportamento caso seja feito sem controle. Foto: Arne Beruldsen/Shutterstock

É importante citar que a situação atípica ocorreu com esse paciente, apenas, e médicos não sabem afirmar se a hiperdosagem de Ambien traria resultados similares em estudos do tipo – e nem se há a capacidade aplicável para que tais pesquisas sejam conduzidas. Mais além, um relato do portal The Fix, de 2014, indica que o uso desenfreado do medicamento pode trazer como efeito colateral a mudança permanente de comportamento, tornando as pessoas que o tomam sem cuidado mais irritáveis e violentas.

Isso não impediu que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovasse o uso de hermitrato de zolpidem em comprimidos para tratamento de distúrbios do sono em 2019.

Fonte: Futurism / O Tempo / Revista da Farmácia