EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Segundo um relatório do site Above Avalon, elaborado pelo analista de mercado Neil Cybart, em algum momento de setembro deste ano a Apple ultrapassou a marca de 1 bilhão de usuários ativos do iPhone.

Isso significa 1 bilhão de pessoas com os aparelhos em seus bolsos, usando-os frequentemente, e é diferente da marca de 1 bilhão de aparelhos vendidos, algo que aconteceu em julho de 2016, segundo comunicado de Tim Cook aos funcionários da Apple.

publicidade

“Na semana passada, ultrapassamos outro marco importante quando vendemos o bilionésimo iPhone”, disse Cook na época. “Nunca nos propusemos a vender a maior quantidade, mas sempre nos propusemos a fazer os melhores produtos que fazem a diferença. Obrigado a todos na Apple por ajudarem a mudar o mundo todos os dias.”

Pouco mais de dois anos depois, em setembro de 2018, o executivo afirmou a seus funcionários que a empresa estava prestes a atingir a marca de 2 bilhões de aparelhos com o iOS vendidos. Este número, entretanto, inclui os iPhones, iPod Touch e iPads.

Reprodução

O primeiro iPhone foi lançado em junho de 2007. Foto: Apple/Reprodução

publicidade

Se a marca foi atingida em 30 de setembro, isso significa que a Apple atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos do iPhone 4.813 dias após seu lançamento, em 29 de junho de 2007.

De acordo com o analista, atualmente a Apple ainda atrai de 20 a 30 milhões de novos usuários de iPhones todo ano, mas a maior parte do mercado é o de usuários atualizando seus aparelhos, que estima representar mais de 80% do volume total de vendas neste ano.

“Nos últimos anos, o ritmo de crescimento da base instalada do iPhone diminuiu”, diz o relatório. “Muito deste crescimento reduzido se deve à alta penetração dos smartphones e ao fato de que a Apple já conquistou com sucesso o segumento premium do mercado”, afirma.

Recentemente a empresa lançou a família iPhone 12, com quatro modelos (iPhone 12 Mini, iPhone 12, iPhone 12 Pro e iPhone 12 Pro Max) em diferentes faixas de preço. Apesar de controvérsia devido ao fato de que os aparelhos não incluem um carregador na caixa, a empresa pretende abrir 30 lojas expressas em vários locais dos EUA e Europa para faciitar o atendimento de clientes que querem retirar pedidos feitos online, especialmente em locais que estão tomando medidas para conter uma segunda onda de Covid-19.

Fonte: Apple Insider