Os resultados do mercado de smartphones no terceiro trimestre trouxeram rearranjos no ranking de desempenho das fabricantes. A Apple, por exemplo, deixou de figurar entre as três que possuem maiores fatias de mercado, perdendo a terceira posição para a chinesa Xiaomi. Menos surpreendente, a Samsung retornou ao topo da lista depois de haver perdido espaço para a Huawei no início do ano. 

O ranking é baseado em relatórios das empresas Counterpoint Research, IDC e Canalys. Embora as estimativas apresentadas sejam ligeiramente distintas para cada uma, as quatro primeiras posições são consistentes: 

publicidade
  1. Samsung
  2. Huawei
  3. Xiaomi
  4. Apple  

A Huawei é uma das peças centrais na guerra comercial entre Estados Unidos e China, e foi perdendo vários de seus fornecedores, conforme a Casa Branca pressionava autoridades mundo afora a boicotarem a empresa. Por isso, não é surpresa que a Samsung tenha conseguido ultrapassar a fabricante chinesa e recuperar a primeira posição. 

Reprodução

Ranking de remessas de smartphones baseado no relatório da Canalys. Imagem: Reprodução/Canalys

Já a saída da Apple do pódio, sim, surpreende. A Xiaomi vendeu 46,2 milhões de dispositivos no terceiro trimestre, segundo a Counterpoint Research; 46,5 milhões, segundo a IDC; e 47,1 milhões, segundo a Canalys, garantindo o terceiro lugar em todos os relatórios. A participação de mercado da chinesa foi estimada em 13%, 13,1% e 13,5%, respectivamente.  

A Apple, por outro lado, vendeu 41,7 milhões de unidades (Counterpoint Research), 41,6 milhões (IDC) e 43,2 milhões (Canalys), com fatia de mercado de 11%, 11,8% e 12,8%, respectivamente.

Mercado indiano

Considerando todas as fabricantes, as remessas mundiais de smartphones cresceram consideravelmente no período. A alta foi puxada pela Índia, um dos maiores mercados do mundo, que registrou um recorde histórico de unidades vendidas em um único trimestre: 53 milhões.   

O bom desempenho da Samsung também se deve ao mercado indiano, de certa forma. A sul-coreana garantiu o primeiro lugar no país com fatia de mercado de 24% e crescimento anual de 32%, em parte devido ao forte sentimento anti-China observado na Índia atualmente.

O país chegou, inclusive, a banir mais de 100 apps chineses em julho, incluindo o TikTok. Segundo o XDA-Developers, há também uma tentativa de boicote às marcas chinesas por parte da população. Mesmo assim, os fabricantes da China ainda controlam 74% do mercado indiano de smartphones.

Fonte: XDA-Developers