EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Uma reportagem do site Business Korea afirma, citando fontes anônimas, que a Samsung deve começar a fornecer processadores Exynos, que a própria sul-coreana desenvolve, para a Oppo, Xiaomi e Vivo. A linha Exynos é conhecida como a solução de baixo custo da Samsung e deve ser usada nos smartphones de entrada das três fabricantes chinesas.

A reportagem veiculada menciona que a Samsung vem, aos poucos, desvinculando a marca Exynos de sua divisão de negócios wireless (onde é abrigada a linha de celulares próprios da sul-coreana) devido ao baixo volume de faturamento. Ao invés disso, a fabricante agora busca licenciar a tecnologia para clientes de fora. Vale citar: a Vivo já usou, em 2020, os processadores Exynos 880 e Exynos 980 em alguns de seus smartphones.

publicidade

Reprodução

O Exynos 980, processador de custo básico da Samsung, já vem equipado em alguns smartphones chineses, mas rumores indicam que a linha deve ser ampliada para empresas como Xiaomi, Oppo e Vivo. Imagem: Samsung/Divulgação

No caso da Xiaomi e Oppo, ambas teriam procurado a Samsung para fazer negócios, pois temem que a situação vivida pela concorrente Huawei com os Estados Unidos – uma guerra comercial que impede que a Qualcomm venda os chipsets Snapdragon à empresa – acabe se estendendo a elas, que compartilham da mesma nacionalidade. Adotar a linha Exynos seria uma forma de balancear o potencial impacto negativo, caso isso venha a acontecer.

Ainda citando os problemas da Huawei, diversos veículos chineses afirmam que a Samsung deve lançar seu próximo flagship – o Galaxy S21 (ou S30, dependendo de onde você lê) – antes do previsto justamente por causa da guerra comercial entre as duas nações. Especula-se que a revelação do novo smartphone venha em janeiro de 2021, ao invés do costumeiro fevereiro.

publicidade

Até o momento, nenhuma das três fabricantes chinesas comentou os rumores. A Samsung também preferiu manter o silêncio, citando a sua política interna de não tratar publicamente de especulações.

Fonte: Business Korea