EnglishPortugueseSpanish

Um asteroide de Marte pode ajudar cientistas a entenderem como a água passou a existir na superfície de planetas como a Terra. Apesar de poder ser encontrado em outros corpos celestes pelo universo, a maneira como o elemento surgiu no solo ainda é incerta. Mas o meteorito marciano NWA 7533 indica que o processo tenha sido totalmente químico, desconsiderando outras teorias.

De acordo com o estudo, que gerou um artigo publicado no Science Advances na última semana, a história pode ser estudada por meio de análises de dois asteroides vindos de Marte. A dupla NWA 7034 e NWA 7533 foi encontrada no Deserto do Saara há vários anos e um recente exame feito pelos cientistas da Universidade de Tóquio indicam que os corpos possuem misturas de vários tipos de rochas.

publicidade

Reprodução

NWA 7034 também foi analisado pelos cientistas, mas foi o NWA 7533 quem deu as respostas. Créditos: Nasa/Divulgação

Água na superfície de planetas

Profissionais da área indicavam duas teorias para o aparecimento da água na superfície de planetas. A primeira é que ela se formou naturalmente durante muitas reações químicas, portanto, uma possibilidade é que a água tenha sido criada durante as reações químicas no início do Sistema Solar. Uma segunda hipótese é que o elemento foi entregue à superfície dos planetas por meio de colisões com cometas.

As análises mais profundas do NWA 7533 concluíram que a origem da água nos planetas é provavelmente mais química do que interplanetária. “Eu estudo minerais em meteoritos marcianos para entender como Marte se formou, e sua crosta e manto evoluíram. Esta é a primeira vez que investiguei este meteorito em particular, apelidado de Beleza Negra por sua cor escura. Nossas amostras de NWA 7533 foram submetidas a quatro tipos diferentes de análises espectroscópicas, formas de detectar impressões digitais químicas. Os resultados levaram nossa equipe a tirar algumas conclusões emocionantes”, afirmou o professor Takashi Mikouchi, da Universidade de Tóquio.

publicidade

Reprodução

Pesquisadores afirmam que a água, provavelmente, já estava presente na superfície de Marte há 4,4 bilhões de anos. Créditos: Nasa/Divulgação

Cabe destacar que a água cobre cerca de três quartos da Terra e pode ser encontrada em outros planetas do Sistema Solar, incluindo depósitos subterrâneos de gelo em Marte. Acredita-se que há mais de 3,7 bilhões de anos, o planeta vermelho era o lar de vastos oceanos e, possivelmente, de vida primitiva. Quando Marte perdeu sua atmosfera primitiva, esses corpos d’água foram levados para o espaço ou congelados no subsolo. Mas as análises de Mikouchi e sua equipe mostraram que o elemento, provavelmente, já estava presente na superfície do planeta em questão na era mais antiga do Sistema Solar, 4,4 bilhões de anos atrás.

Vale ainda lembrar que saber como a água surgiu na superfície destes planetas por meio de reações químicas pode ajudar os astrônomos a entenderem melhor sobre o elemento em exoplanetas distantes. Além disso, a descoberta pode abrir caminho para compreender sobre o curso da água em Marte, assim como o dos enormes oceanos que cercam nosso planeta.

Via: The Next Web