EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O Google está enfrentando um novo processo nos EUA por supostamente “roubar” dados móveis em smartphones Android. Segundo a denúncia, aberta nesta quinta (12), a transmissão de informações em segundo plano para os servidores da empresa gasta parte do pacote de dados móveis sem o consentimento de usuários.

Segundo a denúncia, o Google estaria usando as ‘permissões limitadas de dados móveis’ do Android para transmitir dados individuais sem permissão prévia. Essas informações, inclusive, não têm relação com o uso de serviços do Google. Esse consumo de dados móveis equivale a cerca de 260 MB por mês.

publicidade

Para alguns dos usuários atentos do sistema, a prática da empresa de Mountain View não passou despercebida. Em busca de explicações, o caso chegou à corte da cidade de San Jose no estado da Califórnia.

Uso de dados em segundo plano

O Google teria “projetado e implementado o sistema operacional Android e seus aplicativos para extrair e transmitir grandes volumes de informação”, de acordo com a denúncia. Portanto, todo aparelho que roda Android, mesmo com o Wi-Fi desligado, continua “conversando” com os servidores da companhia utilizando o pacote de dados dos usuários.

Essa troca de dados continua acontecendo de forma passiva, mesmo que o usuário do sistema opte por não utilizar nenhum aplicativo ou serviços do Google no aparelho.

Termos de serviço do ecossistema de serviços do Google não prevê uso de dados móveis sem a permissão dos usuários. Imagem: Trismegist san/Shutterstock

Um dos responsáveis pela ação demonstrou que um smartphone Galaxy, com uma conta ativa do Google e Wi-Fi desligado, envia aproximadamente 10 MB de informações por dia para os servidores do Google.

publicidade
Transmissão de dados em segundo plano pode custar U$ 1 (cerca de R$ 5,10) por mês para os usuários de Android. Imagem: Photomans/Shutterstock

Em um iPhone, a mesma coleta ocorre no iOS. No entanto, com o navegador Safari aberto e o Wi-Fi desligado, o aparelho da Maçã chega a transmitir somente um décimo do volume de dados trocados entre celulares Android e o Google.

Uso de dados móveis sem autorização

Parte das informações transmitidas seriam arquivos de log do sistema, responsáveis por armazenar informações relacionadas ao sinal de rede, quantidade de aplicativos abertos e outros parâmetros do Android. O Google poderia atrasar essa transmissão de dados para quando uma rede Wi-Fi estivesse disponível, porém, a companhia preferiu optar por utilizar os dados móveis do usuário por padrão.

Em 2018, Douglas Schmidt, professor na Vanderbilt University, descobriu que o Android chega a fazer até 900 transferências de dados em segundo plano para o Google com o navegador Chrome aberto. Isso apenas em um período de 24 horas.

A denúncia pretende enquadrar a empresa por transferir dados em segundo plano sem autorização. Ainda será preciso avaliar se essas informações também estariam sendo utilizados pelo Google para fins comerciais, o que agravaria ainda mais o caso.

Por ora, a denúncia aguarda a decisão da justiça norte-americana para aplicar a punição ao Google, que terá de responder pela prática invasiva.

Fonte: The Register