EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Qual foi o máximo de dinheiro que você conseguiu em um único dia? Mesmo que tenha ganhado na Mega Sena ou roubado um banco, dificilmente irá superar Elon Musk, que nos últimos dias viu seu patrimônio aumentar em US$ 22 bilhões – US$ 12 bilhões na terça-feira (17) e outros US$ 10 bilhões no dia seguinte, de acordo com o Business Insider. Isso fez com que o sul-africano ultrapassasse o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, e se tornasse a terceira pessoa mais rica do mundo.

Essa bolada veio quando a Tesla entrou para o Standard & Poor’s 500 (S&P 500), um índice que inclui as 500 maiores ações cotadas nas bolsas de valores dos Estados Unidos – o que levou os papéis da empresa a serem valorizados em 13% na terça e mais 12% na quarta. Musk não recebe salário da montadora, mas é seu maior acionista, com 21% da cota.

publicidade

A Tesla já vinha se valorizando ao longo do ano, o que aumentou a fortuna de Musk para estimados US$ 120 bilhões (US$ 90 bilhões desses só em 2020), contra US$ 103 bilhões de Zuckerberg. O empresário agora só está atrás do fundador da Microsoft, Bill Gates (US$ 128 bilhões) e do dono da Amazon, Jeff Bezos (US$ 183 bilhões).

Zigres/Shutterstock

publicidade

O preço das ações da Tesla saltou de US$ 409 para US$ 460 no mercado de pós-venda após a notícia de sua admissão ao S&P 500. Imagem: Zigres/Shutterstock

Musk pode ficar ainda mais rico se receber o bônus de US$ 55,8 bilhões caso a Tesla atinja um valor de mercado de US$ 650 bilhões até 2028 – por enquanto, está na casa dos US$ 400 bilhões. Vale a pena lembrar que Bill Gates doou um valor semelhante, US$ 50 bilhões, para ajudar em pesquisas de tratamento da Malária e medidas para combater a pobreza, por meio da sua fundação.

Entre as montadoras, a Tesla está à frente da Toyota, Volkswagen e General Motors em valor de mercado, mesmo fabricando apenas uma fração do número de veículos. A empresa espera entregar até 500 mil carros em 2020, em comparação com a produção anual da Toyota de cerca de 10 milhões.

Via: The Guardian/Business Insider