EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Na madrugada desta segunda-feira (23), um meteoro com cerca de um metro de diâmetro explodiu sobre a fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai. O bólido (nome dado a um meteoro quando ele explode e gera um clarão no céu) registrou magnitude de -7, valor considerado alto (quanto mais negativo o número, mais luminoso o bólido).

“Com a queda deste meteoro de elevada magnitude fica comprovado que neste ano de 2020 já ocorreu o maior número de meteoros de elevada magnitude desde 2016, quando iniciou a operação do observatório no RS”, conta o professor Carlos Fernando Jung, diretor da Região Sul da Bramon – Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros.

publicidade

-> Meteorito cai em casa na Indonésia e deixa morador milionário

A entrada do objeto na atmosfera foi registrada pelo Observatório Espacial Heller & Jung, localizado no município de Taquara, a 427 km de distância do local da explosão, ocorrida por volta das 2h30 sobre a cidade de Bagé. De acordo com Jung, o meteoro entrou na atmosfera da Terra a 103 km de altitude, explodindo a 94,4 km. O fenômeno luminoso teve duração de apenas 1,05 segundo.

Segundo Marcelo De Cicco, astrônomo coordenador do projeto Exoss, ONG que pesquisa meteoros, o grande número de objetos entrando em nossa atmosfera recentemente faz parte do “Enxame das Táuridas”, fenômeno ocorrido neste mês.

“Meteoros não são raros. Há entre 60 e 70 toneladas de rochas espaciais entrando em nossa atmosfera todos os anos”, explica De Cicco. “Mas, de tempos em tempos, há épocas com maior frequência. Há pesquisas em andamento tentando comprovar a existência de uma ‘temporada dos bólidos'”, conclui.

O meteoro desta noite provavelmente foi vaporizado na explosão. Se algum fragmento chegou ao solo, é muito pequeno e inofensivo, com apenas alguns milímetros ou centímetros – os chamados meteoritos. Esse tipo de fragmentação é o que acontece com a maioria dos objetos espaciais que entram em nossa atmosfera.

Se você testemunhou a explosão ou tiver alguma informação sobre meteoritos encontrados, pode contribuir com o site do Exoss, por onde os pesquisadores coletam relatos.

Via: Uol