Categoras: NotíciasPro

Ainda em alta recorde, bitcoin passa dos R$ 104 mil

O bitcoin atingiu seu ponto mais alto de valorização na terça-feira (24), passando dos US$ 19,6 mil (mais de R$ 104,5 mil) pela primeira vez em quase três anos. A criptomoeda ganhou quase 40% em valor de mercado só em novembro, e acumula alta de 160% no ano.

Na abertura do mercado, o bitcoin valia US$ 18,9 mil – e vem se valorizando desde então. No início da tarde, a alta já chegava a 5%, com a criptomoeda sendo negociada a US$ 19,3 mil. Alimentando esse crescimento está a demanda por ativos resistentes à inflação, em meio aos estímulos fiscais e monetários projetados para conter os danos econômicos causados pela pandemia de Covid-19.

Para alguns analistas e investidores, houve uma reavaliação do valor do bitcoin como moeda paralela e até mesmo como alternativa ao ouro. “É um mecanismo durável que poderia substituir o ouro em grande parte. [Negociar bitcoins] é muito mais funcional do que uma barra de ouro”, afirmou Rick Rieder, o diretor de investimentos da Blackrock, à CNBC

Com desvalorização das moedas tradicionais, bitcoin está sendo considerado como alternativa ao ouro. Imagem: David McBee/Pexels

Porém, na última vez que o bitcoin passou dos US$ 20 mil, em dezembro de 2017, a alta foi interrompida por uma queda vertiginosa: um ano depois, a criptomoeda era negociada por pouco mais de US$ 3 mil. Sua recuperação levou alguns investidores a alegar que a criptomoeda quintuplicar de preço, chegando a US$ 100 mil em um ano.

“A última corrida em bitcoin foi alimentada pela falta de liquidez do lado da oferta, especialmente nas bolsas”, lembra Jacob Skaaning, do fundo de hedge de criptografia ARK36, em entrevista à Reuters. O analista acredita que o volume de bitcoin nas plataformas de negociação caiu em meio à alta demanda. A Ethereum, a segunda maior criptomoeda, caiu ligeiramente depois de atingir seu maior nível desde junho de 2018 na segunda-feira (23).

Bitcoins aceitos no PayPal

Em 2021, bitcoins passarão a ser aceitos em compras feitas pelo PayPal. Em parceria com a empresa Paxos, o novo serviço permitirá que usuários dos Estados Unidos comprem, vendam e mantenham em suas carteiras, além de bitcoins,  moedas digitais como ethereum, bitcoin cash e litecoin.

Segundo a empresa, o plano é fazer com que no início do ano que vem os ativos em criptomoedas possam ser utilizados em compras usando o PayPal. A negociação e gerenciamento ficam por parte da Paxos. 

Futuramente, mais países serão adicionados. A novidade, por enquanto, tem aceitado usuários na lista de espera até que o lançamento seja efetivado.

Via: Reuters/The Guardian 

Esta post foi modificado pela última vez em 24 de novembro de 2020 15:11

Compartilhar
Deixe seu comentário
Publicado por
Renato Mota